quarta, 21 de fevereiro de 2024
CONFORTO

Frequentadores do parque reclamam da ausência de bancos

27 JUL 2017 - 21h10Por Redação

No clima de comemoração dos 118 anos de Campo Grande, frequentadores do Parque das Nações Indígenas reforçam o pedido de instalação de bancos por toda a vasta área do espaço, não só para o descanso de crianças e adultos, mas para que as pessoas desfrutem mais e melhor do local que é amplo, arborizado e com inúmeras atrações.

José Lucas da Silva, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias de Campo Grande e membro do CMDU (Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano) por muitos anos, diz que tem sido cobrado por muitas pessoas para lutar por esse benefício no parque.

“Temos caminhado pelo local e confirmado que há sim uma necessidade muito grande de bancos em pontos estratégicos para o descanso e lazer das pessoas”, afirma o sindicalista.

José Lucas afirma que as pessoas poderiam desfrutar mais das belezas que o local oferece e poderiam até se fortalecer conjugalmente e familiarmente se passassem mais tempo, de maneira confortável, em meio àquela natureza. “Sentados, os casais poderiam conversar mais, fazer planos e, consequentemente, se fortalecer mais”, justifica.

Desconforto

A instalação de bancos sob frondosas árvores existentes em abundância por todo o parque e até nos gramados em volta do lago artificial, seriam fundamentais na opinião de José Lucas e de usuários como o engenheiro civil José Feliciano de Albuquerque e sua esposa Letícia de Albuquerque, que também sentem a necessidade dos bancos por todo o parque.

Assim como eles, centenas de pessoas que frequentam o local durante todo o dia apoiam essa ideia. Maria Francisca Alencar, comerciante, diz que caminha todos os dias no local e que tem testemunhado gestantes procurando, sem sucesso, local para sentar. O chão, praticamente a única opção para a maioria dos frequentadores do local, não é apropriado para gestantes, pois dessa forma não ficariam confortáveis e até colocariam em risco a gravidez.

“Por isso sua permanência no parque é muito curta, assim como das crianças e idosos. O parque é um local não apenas para a prática de exercícios como muitos fazem, mas também para lazer de contemplação por horas a fio”, afirma ela.

Mais próximos

A advogada e dona de casa Lucimar Cardoso, outra “fã” do Parque das Nações Indígenas também pede acentos por todo o local. “Os casais poderiam namorar mais e serem estimulados a conversar mais e isso com certeza fortaleceria as famílias e, consequentemente nossa sociedade que precisa muito de momentos como esse. Não sei de quem é a responsabilidade, mas tanto a prefeitura como o Governo do Estado poderiam contribuir na a implantação dessa infraestrutura para os usuários do parque”, pede. 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O fogo tem devastado as unidades de conservação do Pantanal, porém as Ongs culpam os vizinhos pantaneiros. E ai MP?

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"