quinta, 28 de janeiro de 2021
NATAL

Foz mostra superação e recebe mais de quatro mil visitantes

28 DEZ 2020 - 10h06Por REDAÇÃO

No feriadão de Natal - sexta-feira, sábado e domingo, 25, 26, 27, respectivamente –, o turismo de Itaipu recebeu a visita de 4.463 pessoas de várias partes do Brasil. Para um período de pandemia e retomada da atividade, o número é surpreendente.

Nas Cataratas do Iguaçu, principal atrativo da fronteira, no mesmo período, passaram pelo local 12.549 visitantes. Nos dois lugares, a visitação foi maior do que a metade do total registrado no mesmo período do ano passado. Foz do Iguaçu saiu na frente e foi o primeiro destino a adotar medidas restritivas contra a pandemia para voltar a operar com sua principal fonte de renda, que é o turismo.

Tanto no Complexo Turístico Itaipu (CTI) como no Parque Nacional do Iguaçu e demais atrativos, o atendimento foi reforçado, com maior oferta de saídas para o último feriado prolongado do ano. A expectativa também é bastante positiva para o Réveillon 2021. O Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (Sindhotéis) estima que a ocupação média da rede hoteleira será de 54,3% na virada do ano.

Impactos

“A retomada do turismo se deve a uma grande força-tarefa, que se baseou em comprometimento, vontade de dar a volta por cima e adoção de controles sanitários rigorosos. A retomada é importante porque movimenta um segmento inteiro, garantindo a manutenção de empregos para uma parcela significativa de nossa gente”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

Ele lembra que o setor emprega, direta e indiretamente, profissionais das mais variadas áreas, das camareiras aos taxistas e motoristas de aplicativos, guias de turismo, garçons e outros, “pessoas que fazem do turismo uma fonte importante de renda na fronteira do Brasil com o Paraguai e a Argentina”.

O turismo foi o setor mais afetado pela pandemia, em Foz do Iguaçu. O início da superação foi em junho, com a campanha Vem pra Foz!, iniciativa de Itaipu e parceiros do trade para resgatar a atividade, que estava praticamente estagnada. Mais de cinco mil pessoas perderam emprego a partir de março. Com a mobilização, boa parte já retornou às atividades. Além disso, outras ações e obras mantidas ou financiadas pela margem brasileira da usina conseguiram abrir frentes de trabalho para mais de três mil pessoas.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Barco-hotel Vip: pesca no Pantanal

Mais Vídeos

Eco Debate

ORLANDO DE SOUZA

A real paz de que o Turismo precisa

CAIO PENIDO

Os Serviços Ambientais e o Pacto AgroAmbiental

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pertencimento é pertencer ao Pantanal!