quinta, 15 de abril de 2021
PANTANAL

Estratégico na guerra, Paraguai-Mirim é um rio que se “esconde”

25 JUN 2017 - 21h20Por Sílvio Andrade

Antigo leito do Rio Paraguai, que há séculos criou uma volta de mais de 150 km para passar em frente aos portos de Corumbá e Ladário, em Mato Grosso do Sul, e descer ao Sul, o Rio Paraguai-Mirim nasce de uma “boca” (km 1652 da hidrovia) na região da Serra do Amolar e desagua em frente ao Rabicho (km 1495), unidade da Marinha situada na encosta de um morro, abaixo a alguns quilômetros das duas cidades pantaneiras.

Na Guerra do Paraguai, foi por este canal hoje obstruído pela vegetação, que corre paralelamente ao Paraguai, e com a ajuda de indígenas da região, que as tropas brasileiras vindas de Cuiabá, comandadas por Antônio Maria Coelho, chegaram a Corumbá. O acesso por ele foi preponderante para a histórica retomada da vila, que ficou três anos ocupada pelos paraguaios na Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), no dia 13 de junho de 1867.

Entupimento do rio onde ele ainda sustenta suas margens. Foto Sílvio Andrade

Segundo historiadores, o Paraguai-Mirim foi estratégico do ponto de vista militar para o sucesso da expedição. Descendo o Paraguai em navios, parte da tropa concentrou-se na encosta da Serra dos Dourados, onde hoje fica a sede da RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) do mesmo nome, e dali, em canoas, desceu o Paraguai-Mirim, pegando os paraguaios pela retaguarda, a Leste de Corumbá.

Rio complicado

Hoje, sobrevoando o afluente, da foz (Rabicho) a sua “boca”, numa extensão de 40 km em linha reta, percebe-se que o rio se espalhou, perdeu suas margens e confunde os melhores navegadores do Pantanal. Famoso pela piscosidade de suas águas, aparece e desaparece naquela imensidão. Como dizem os piloteiros de barcos de pesca, “está brincando de esconde-esconde”.

Do alto, se tem a nítida noção do fenômeno: o canal por onde o rio corre foi “engolido” pela inundação permanente daquele trecho da planície, somando-se ainda as águas espalhadas pelo Rio Taquari com a mudança do seu leito mais a Oeste. Ele é navegável pelo seu leito natural por alguns quilômetros, em ambos os extremos, mas logo perde seu curso ou foi obstruído pela vegetação flutuante.

Fim de linha: o rio sumiu no meio da vegetação. Foto: Revista Aruanã

“O Paraguai-Mirim sempre foi um rio complicado pela grande concentração de baceiro (formação de gramíneas e camalote), quando a planície secava, interrompendo sua navegabilidade. Agora que perdeu seu pulso, está fechado em vários pontos e não se tem mais noção do que é rio e alagados”, explica o pantaneiro Armando Lacerda, que tem uma pousada, o Porto São Pedro, próxima à margem esquerda do Paraguai aonde ele nasce.

Aventura

Há algum tempo, o pescador e editor da Revista Aruanã, Toninho Lopes, vivenciou esta realidade do Paraguai-Mirim ao tentar cruza-lo de um lado a outro. Atraído pela excelente piscosidade – o pacu, piaussu e o dourados são as espécies mais encontradas -, a qualidade de sua água, propicia a mergulhos, e ambiente para deleite e contemplação, Lopes armou a pescaria para contar aos seus leitores, mas a viagem foi interrompida.

Do alto, a formosura de um rio que ainda atrai muitos turistas pela sua piscosidade. Foto Sílvio Andrade

“Seguimos tranquilamente, quando, de repente, o rio fechou. Moitas e moitas de camalotes trancavam totalmente o leito do rio”, conta ele em sua reportagem. “Os piloteiros colocavam os remos em cima do camalote, pisavam neles para maior sustentação e empurravam o barco pelo meio das moitas. Quando venciam mais ou menos dez metros, uma corda que unia os dois barcos era puxada por nós para alcança-los na distância percorrida.”

Lopes e sua equipe localizaram cinco pontos de rio trancados e desistiu do que chamou de aventura. “O calor era insuportável e tudo ficava ainda mais difícil por estarmos fazendo força. Para os futuros aventureiros, recomendamos que se informem antes sobre as condições do rio Paraguai Mirim, pois se ele estiver fechado a melhor opção é mesmo adiar a viagem, evitando assim grandes problemas”, alerta em sua reportagem.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Bonito Seguro - Pronto para te receber!

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa