quinta, 15 de abril de 2021
COTA ZERO

“Estamos fazendo um bem para o meio ambiente”

Governador de MS reforça importância do pesque-solte para preservar estoque pesqueiro

25 JUL 2019 - 11h20Por SÍLVIO DE ANDRADE

Afirmando que respeita as opiniões em contrário e está aberto ao dálogo, o governador Reinaldo Azambuja sustentou que a decisão do Governo do Estado de decretar cota zero para a pesca esportiva, a partir de 2020, baseia-se em estudos técnicos e na consciência coletiva em defesa dos recursos pesqueiros das bacias dos rios Paraná e Paraguai. “Com a moratória do dourado, já estamos percebendo o retorno do peixe aos rios”, disse.

Em entrevista à Rádio Guaicurus, de Porto Murtinho, o governador declarou que a medida preservacionista foi tomada em um momento crucial para a manutenção e recuperação das espécies, que estão ameaçadas pela pressão do extrativismo comercial e esportivo. Amante da pesca, ele frisou que, como a maioria dos pescadores, não captura mais o peixe.

“Mudei minha consciência, já fui também de matar o peixe, hoje tiro foto e devolvo-o ao rio”, comentou. “Entendo as reações em relação a cota zero, mas tenho certeza que estaremos com a consciência tranquila de que fizemos um bem para o meio ambiente. As belezas do Pantanal ninguém vai tirar de nós, e quero que meus netos conheçam os peixes que já foram abundantes em nossos rios. Precisamos nos preocupar com isso, é uma questão de sobrevida.”

MS perdeu para a Argentina e outros estados um grande número de pescadores por falta do peixe nos rios. Foto: Edemir Rodrigues

Validade em 2020

O decreto nº 15.166, assinado pelo governador Reinaldo Azambuja, estabelece a cota zero para os peixes das bacias dos Rio Paraguai e Paraná a partir de 2020, com a proibição da captura e transporte por pescadores amadores ou esportivos. O decreto assegura ao pescador profissional a manutenção da cota de 400 quilos, além de outras alternativas de renda, e permite que o turista capture um peixe para consumir na beira do rio, rancho ou pousada.

Para a temporada de pesca desse ano, conforme o decreto, a cota para a pesca amadora foi reduzida de dez para cinco quilos de pescado, mais um exemplar e cinco piranhas. As medidas apoiadas pelo trade turístico e associações de pescadores visam preservar os estoques pesqueiros, atualmente em baixa, e atrair um novo e promissor mercado de pesca esportiva para Mato Grosso do Sul, um dos principais destinos da modalidade recreativa do país.

Decretada em fevereiro de 2019, a cota zero vem recebendo apoio de diversos segmentos da sociedade civil. As associações de pesca esportiva do Pantanal (Apep) e de Três Lagoas (Apetl) e o trade turístico de Corumbá, Miranda, Aquidauana, Porto Murtinho e Bonito já declararam apoio à medida. O canal Fish TV News, especializado em pesca esportiva na América Latina, também manifestou a defesa da cota zero, hoje uma tendência mundial.

Com moratória, dourado volta ao Rio Miranda, no Pantanal de Corumbá: jovem fisga exemplar de 15 kg. Foto: Divulgação

Preservar as matrizes

Para Reinaldo Azambuja, a redução dos estoques pesqueiros, principalmente das espécies nobres, é consequência da retirada indiscriminada dos rios, e afiançou que a decisão do governo de estabelecer o tamanho máximo é uma garantia para manutenção dos grandes reprodutores, os mais ameaçados pela predação. “Os estudos da Embrapa Pantanal indicam que está havendo uma sobrecarga nas matrizes, o que coloca em risco toda a cadeia”, frisou.

Reafirmando que o novo modelo de pesca não é definitivo, podendo ser aberta a pesca de captura em determinado período com bases científicas, o governador ponderou que a cota zero também gerou polêmicas em outros estados e na Argentina, que hoje atrai mais de 70 mil brasileiros em busca da esportividade do dourado. “Na Argentina você tem que fazer reserva com dois anos de antecedência. Voltando o peixe, vamos ter esse fluxo em nossos rios.”

Reinaldo Azambuja enfatizou, ainda, que a nova legislação não inclui o pescador profissional, para o qual foi mantida a cota de 400 quilos mensais, e disse que o Governo do Estado criará outras alternativas de renda para esse segmento com o fortalecimento das colônias de pescadores. “O pescador profissional receberá qualificação e poderá atuar como guia de pesca. Aumentando o fluxo de turistas haverá mercado de trabalho para todos”, comentou.

Governador Reinaldo Azambuja debate cota zero com os segmentos da pesca. Foto: Chico Ribeiro

Turismo apoia medida

As reações contrárias à cota zero, segundo o secretário-adjunto da Semagro (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Ricardo Senna, ocorreram por desconhecimento e discussões equivocadas, causando polêmicas desnecessárias. Além de garantia a sustentabilidade do estoque pesqueiro, ele afirma que a medida visa fomentar um mercado em potencial, que é o da pesca esportiva, com o ecoturismo no Pantanal.

Marcos Nunes, dono de pesqueiro em Porto Murtinho

O empresário Marcos Aurélio Nunes, 51, dono de pousada em Porto Murtinho, foi uma das pessoas que reagiram inicialmente contra o pesque-solte. Hoje, ele está plenamente consciente do seu benefício para o setor pesqueiro. “É uma questão de transição, não haverá impacto na nossa atividade. Até porque poucos pescadores hoje levam o peixe”, diz. “Acredito que tem que parar mesmo de tirar o peixe do rio. Dentro do rio o peixe tem mais valor.”

Representando o trade turístico de Corumbá, principal destino de pesca do Estado, a empresária Marju Venturini declarou que a cota zero fomentará o setor, gerando economia e desenvolvimento ao Estado. “Não se pesca mais peixe grande, está claro que a captura está causando um desequilíbrio”, reforça. Segundo ela, 95% dos clientes do seu hotel, situado no Passo do Lontra, já praticam a cota zero. “Estamos lutando há dez anos pelo pesque-solte.”

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Bonito Seguro - Pronto para te receber!

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa