terça, 20 de abril de 2021
INVERN0

Estação mais fria tem neve, florada de ipês e visita de baleias

Confira as principais mudanças na natureza com a chegada do inverno, em diferentes regiões do Brasil

24 JUN 2019 - 06h39Por REDAÇÃO

Entre os dias 21 de junho e 22 de setembro, o inverno passa a ser a estação do ano no Hemisfério Sul. Esse período é conhecido pelas temperaturas baixas, dias mais curtos e noites mais longas, porém, as características variam em cada região do País.

Neve

Não é comum, mas é possível encontrar neve no Brasil. Mais frequentes em países da América do Norte e da Europa, esses flocos de gelo se formam em locais com temperatura próxima ou abaixo de zero grau, sem vento e com pouca umidade, características do clima subtropical da região Sul do País.

O cenário fica ainda mais favorável em grandes altitudes e altas latitudes, em cidades serranas do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.  

Queimadas e floradas

Considerada a savana mais rica em biodiversidade no mundo, o Cerrado se transforma durante o inverno.

“Com a estação mais seca e as temperaturas mais amenas, verificamos o recolhimento de alguns animais, principalmente répteis e anfíbios, que aguardam a volta das chuvas para se reproduzirem. Até mesmo as aves e mamíferos se locomovem menos pelo Cerrado durante os meses do inverno”, explica o biólogo, professor da Universidade de Brasília e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Reuber Brandão.

Segundo ele, é possível verificar o fenômeno das queimadas durante a estação, principalmente nos meses mais secos e quentes – entre agosto e setembro. Nesse período, o fogo é mais intenso, atingindo extensões maiores e causando risco para os animais, principalmente os que não conseguem se "entocar", como os tamanduás.

Outro fenômeno que chama atenção nessa época do ano é a florada de algumas árvores do Cerrado. “Os ipês roxos, amarelos e rosas florescem nos meses de agosto e setembro e indicam, junto com a chegada das tesourinhas, que o período mais seco está terminando”, finaliza o especialista.

As baleias concentram-se na Bahia e em Santa Catarina. Foto: Pixabay

Visita das baleias

Entre os meses de julho e novembro, o litoral brasileiro recebe a visita das baleias jubarte e franca.

“Durante o inverno, as baleias migram para águas tropicais e subtropicais e se aproximam da costa do País para a reprodução. No verão, elas retornam às águas polares para se alimentarem”, afirma a analista de Projetos Ambientais da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Janaina Bumbeer.

Esses mamíferos podem ser vistos em diversos pontos pelo País. É mais comum observar baleias jubarte no Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no litoral baiano. No inverno e na primavera, a região funciona como berçário para o maior grupo de baleias jubarte do mundo. Já as baleias francas se concentram no estado de Santa Catarina. A Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca foi criada em 2000 justamente para preservar o habitat da espécie e ordenar atividades turísticas e de pesquisa. “Tanto no Norte como no Sul do Brasil é possível avistar as baleias. Mas observação deve ser feita sem interferir nos animais, para não impactar o desenvolvimento da espécie”, destaca Janaina.

Regiões alagadas

Localizada predominantemente no Norte do País, a região amazônica recebe praticamente a mesma quantidade de energia solar durante todo o ano, fazendo com que as estações não apresentem tanta variação.i

É possível observar apenas um período mais chuvoso e outro mais seco. Entre os meses de junho e setembro chove menos, contudo, o excesso de chuva dos meses anteriores faz com que os rios fiquem cheios, chegando a atingir o topo das árvores, o que facilita a navegação e altera a paisagem, criando condições mais adequadas para o turismo.

Pegada de onça-pintada na Estrada-Parque, Pantanal de Corumbá

O clima mais seco também favorece o aumento das temperaturas, o que torna a estação do ano mais quente do que o próprio verão.

No Pantanal

Diferente da Amazônia, que permanece alagada no inverno, no Pantanal o nível dos rios tende a baixar a partir do mês de julho. Assim, os animais da região ficam mais visíveis, como capivaras, jacarés, aves, macacos e até a onça-pintada.

Época de calor seco, apesar da estação, com processo de renovação da fauna e da flora em alta com a floração dos ipês e acasalamento dos animais. Período excelente para observação da fauna.

O bioma está tendo ainda uma cheia normal, que ocorre todo ano, em pequena ou alta intensidade. O principal rio, o Paraguai, continua subindo na região de Corumbá (MS), em consequência das águas de chuvas que ocorreram na parte alta (Mato Grosso).

Mas deve se estabilizar em julho, iniciando um período seco, que segue até início do próximo ano

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Programa Pesca & Amizade, com Marun

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa