sábado, 24 de fevereiro de 2024
PRESERVAÇÃO

Corumbá dá exemplo e proíbe saída de pescado para comércio

19 JUN 2017 - 06h16Por Sílvio Andrade
 

A pesca tem exercido forte pressão no estoque pesqueiro da bacia do Pantanal, apesar das leis mais rigorosas e um melhor aparato de fiscalização. A adoção da prática do pesque-solte para a pesca esportiva tem trazido resultados e gerado uma maior consciência do pescador amador quanto à necessidade de proteção dos recursos naturais de nossos rios. A pesca profissional, que muitos consideram de “sobrevivência” do ribeirinho, no entanto, tem se transformado em um risco às espécies devido ao comércio ilegal, praticado hoje em alta escala.

A pesca é uma das principais atividades econômicas, sociais e ambientais realizadas no Pantanal e na Bacia do Alto Paraguai, nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde é exercida nas modalidades profissional-artesanal, amadora (ou esportiva) e de subsistência.  Até 2008, foi registrado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura um total de 10,3 mil pescadores profissionais na bacia, sendo 6,7 mil em Mato Grosso e 3,6 mil em Mato Grosso do Sul.

Maior destino de pesca, Corumbá é um exemplo de uma realidade que apenas os organismos ambientais de preservação e fiscalização não enxergam: comerciantes de outras regiões, onde o pescado está escasso, passaram a explorar o Rio Paraguai e levar dele grandes quantidades de peixes e iscas vivas, que chegam ao porto geral da cidade e saem em caminhões para outros centros sem licença. Uma ação que se tornou rotineira, onde o pescador nativo é explorado e acaba sendo escravizado pelo atravessador.

A atuação da Polícia Militar Ambiental (PMA) tem demonstrado o nível dessa pressão aos recursos aquáticos do Pantanal. Em março, os policiais apreenderam quase uma tonelada de pescado transportada em uma embarcação dos índios guató, provavelmente contratados pelos contrabandistas. A PMA já havia recebido denúncias de pesca e comércio ilegais praticados pelos indígenas. O cacique da tribo assumiu a culpa e foi autuado e multado em R$ 22 mil. Um freezer e a embarcação foram apreendidos.

Polícia Militar Ambiental (PMA) apreende diariamente pescado irregular na região do Pantanal. Foto Divulgação

Monitoramento

A necessidade de preservas as espécies, sobretudo aquelas consideradas nobres, levou a prefeitura de Corumbá a adotar uma medida extrema em 2012, ao proibir a captura por cinco anos do dourado (Salminus brasiliensis), um dos peixes mais esportivos e apreciados pelo pescador. Recentemente, a Câmara de Vereadores do município aprovou nova lei, estendendo essa proibição, transporte, comercialização, processamento, industrialização e a guarda da espécie por mais dez anos. A lei nº 2.568 foi sancionada pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira.

Na mesma cerimônia, o prefeito lançou o Projeto de Monitoramento da Cota Zero do Dourado, um conjunto de ações que tem como objetivos a manutenção dos estoques da espécie; a mudança de atitude de pescadores; ribeirinhos e empresários; a geração de trabalho e renda e a sua replicabilidade. O comportamento do peixe será estudado por meio de uma etiqueta, uma das técnicas usadas para estudos de parâmetros populacionais e estimar a densidade, abundância e taxas de crescimento da espécie.

“Corumbá está dando um exemplo para si mesma, mostra que é consciente e grande protagonista do Pantanal”, disse Ruiter. “É preciso que tenhamos essa consciência de, como moradores, sermos, de fato, protagonistas na defesa desse santuário ecológico que é o nosso Pantanal," Segundo ele, “a lei e outras que vão ao encontro da conservação e preservação da fauna e a flora pantaneira, têm que ser capitaneadas por nós aqui de Corumbá. Temos que dizer como queremos que o Pantanal seja tratado”.

Ruiter e os vereadores Vendramini e Rufo Vinagre

Comercialização

Outra decisão extremamente oportuna dos vereadores corumbaenses, na mesma linha de raciocínio, foi aprovar uma segunda lei ambiental, que proíbe o transporte rodoviário, aéreo, férreo e náutico de peixe capturado no município para comercialização em outras regiões. Medida, a ser sancionada pelo prefeito, deve acabar com o comercio ilegal do pescado, cujo combate exige uma fiscalização rigorosa. Corumbá tem apenas uma saída rodoviária (BR-262) para Campo Grande e outros centros, o que facilita esse controle.

No caso do transporte, a lei, que também será homologada pelo prefeito, permite apenas a saída de pescado oriundo de cativeiro, não havendo esse tipo de atividade comercial em Corumbá, e para fins de pesquisas científicas, mediante autorização dos órgãos competentes. A nova legislação autoriza a Fundação de Meio Ambiente do Pantanal a firmar parcerias com instituições públicas e privadas de pesquisa, ciência e tecnologia para monitorar os estoques pesqueiros e a atividade pesqueira.

Autor das duas leis, o vereador Rufo Vinagre lembrou a proibição ocorrida em 2011 que passou a vigorar a partir de janeiro de 2012. “Na época a pesca ficou proibida por cinco anos e o resultado foi satisfatório. Por isso mesmo resolvemos entrar com este Projeto de Lei, estendendo a proibição por 10 anos”, disse o vereador, observando que especialistas vão fazer acompanhamento científico do Dourado nos rios pantaneiros. Ele observou que as restrições não a pesca esportiva, que tem legislação própria, onde se estabelece uma cota de captura.

 “A proibição não se aplica também para a pesca de subsistência praticada pela população ribeirinha ou por pessoas dedicadas à atividade pesqueira para consumo doméstico”, explicou o vereador. “É bom ressaltar que, nestes casos, somente será permitida a utilização de caniço ou vara de pescar, e linha de mão.”

Para o presidente do Legislativo corumbaense, Evander Vendramini, autor da lei anterior sobre a moratória, a reedição da medida visa preservar um recurso natural que faz a diferença em Corumbá. “Quem visita nossa região é atraído não só pelas belezas naturais, mas pelo prazer de pescar um peixe chamado de rei do rio. Queremos garantir sua preservação para as futuras gerações”, disse. Ventramini acrescentou que a proibição da pesca por cinco anos repovoou os rios com o dourado, constatação feita pelos próprios pescadores.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"