quinta, 15 de abril de 2021
PROPOSTA

Corredor de proteção ambiental liga o Pantanal à Chiquitana

02 JUL 2017 - 08h10Por Redação

Foi apresentada pelo fundador do Instituto Homem Pantaneiro (IHP) e coronel reformado Ângelo Rabelo, no instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), a proposta de um grande corredor na região do Pantanal que pode assegurar a proteção da fauna e da flora pantaneiras.

O projeto, debatido durante o II Seminário Corredores Ecológicos e Conectividade da Paisagem, foi desenvolvido pelo IHP com o apoio da secretaria de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente. Pretende conectar o Pantanal brasileiro, que se estende pelos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, com a floresta Chiquitana, área de manejo integrada de 2,8 milhões de hectares, situada na região de San Matias, Bolívia.

“A ideia é integrar os dois países e assegurar a proteção de espécies ameaçadas, como a onça-pintada. Procura também, a exemplo da Rede de Proteção do Amolar, envolver fazendas privadas que tenham compromisso com boas práticas de conservação”, explicou Rabelo.

O projeto vai ao encontro dos objetivos da secretaria de Biodiversidade do MMA, que busca proposta para apresentar ao Global Environmental Fund (GEF 7), visando apoiar iniciativas que construam a conectividade.

Este é o grande desafio da conservação mundial neste momento do planeta, especialmente pela perda de biodiversidade do planeta, que, lamentavelmente, segue ocorrendo.

Ângelo Rabelo (à esquerda) fala durante o seminário

Segundo Rabelo, o desafio agora é agregar parcerias que possam ajudar na implementação deste corredor. “Acreditamos que as fazendas que fizerem parte de corredores ecológicos  estratégicos para os diferentes biomas do País, terão mais valor e poderão usufruir de oportunidades com o pagamento de serviços ambientais“, pontuou.

Corredor do Amolar

Uma das iniciativas mais relevantes para a proteção do Pantanal, nos últimos anos, foi a criação da Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar (RPCSA), em Corumbá (MS), fruto de uma parceria dos três setores da sociedade para atuar de forma integrada na proteção e conservação da região, considera de alto potencial em biodiversidade.

No total, são 276 mil hectares de área, sendo 209 mil hectares legalmente constituídos junto aos órgãos competentes. A iniciativa da RPCSA, por meio do Instituto Homem Pantaneiro, garante a manutenção de um importante corredor ecológico e, ainda, amplia a área de proteção em torno do Parque Nacional do Pantanal, situado em Poconé (MT).

Apoiam a rede o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Fazenda Santa Teresa, Polícia Militar Ambiental (PMA) e Acaia Pantanal.

Com a otimização de recursos financeiros, técnicos e logísticos, a rede busca: identificar e implementar ações que contribuam diretamente para efetivar a proteção das áreas; assegurar a presença do Estado na região em ações possíveis por meio da parceria público-privada; promover a integração harmônica entre conservação e desenvolvimento humano e garantir a proteção e o conhecimento da biodiversidade por meio de estudos científicos.
É assim que as organizações pretendem atingir resultados expressivos com mais eficiência e eficácia, agindo juntamente com o poder público e com a população local residente na região.

Região ímpar na planície pantaneira, a Serra do Amolar integra hoje um corredor ecológico de quase 300 mil hectares. Na foto, a RPPN Eliézer Batista

Além de parceiro membro, o IHP atua como gestor da RPCSA e como articulador político-institucional junto aos poderes municipal, estadual e federal.

Em 2015, o território da RPCSA era formado pelo Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense; as RPPN’s Dorochê, Rumo ao Oeste, Acurizal, Penha e Engenheiro Eliezer Batistas; as Fazendas São Gonçalo, Santa Rosa, Vale do Paraíso, Morro Alegre, Santa Tereza e Jatobazinho e também o Sitio Serra Negra.

Seminário

O II Seminário Corredores Ecológicos e Conectividade da Paisagem, organizado pelo Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, juntamente com a secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, surgiu de uma plataforma de dialogo sobre o tema, durante o primeiro Seminário Corredores Ecológicos da América Latina, em 26 de maio.

Nesse período o Ministério de Meio Ambiente ampliou o interesse já estabelecido pelo governo brasileiro há muitos anos, discutindo e preparando as bases para um Programa Conectividade da Paisagem – Corredores Ecológicos.

Os palestrantes convidados abordaram a questão da conectividade nos ecossistemas marítimos e continentais, assim como os temas correlacionados como clima, água, florestas e as questões sociais e culturais.

O Objetivo do evento foi promover a discussão sobre as políticas públicas e as oportunidades de pesquisa relacionadas ao tema, fazendo uma reflexão sobre o papel da academia da difusão do conhecimento científico no desenvolvimento socioeconômico na América Latina e no Brasil.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Bonito Seguro - Pronto para te receber!

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa