terça, 20 de abril de 2021
CORUMBÁ

Conheça a Capital do Pantanal navegando pelo Rio Paraguai

06 JAN 2020 - 06h11Por SÍLVIO DE ANDRADE

Viajar em família em período de férias para desfrutar as belezas do Pantanal tem um destino: Corumbá, distante 430 km de Campo Grande. A histórica cidade, fundada em 1778, reserva bons atrativos culturais, como seus casarões, museu e fortificações militares, e degustar a gastronomia pantaneira, a base de peixe e carne bovina seca.

Um dos melhores passeios pela Capital do Pantanal é navegar pelo Rio Paraguai em embarcações com toda segurança e uma estrutura que inclui restaurante, assentos confortáveis e piscina. Um programa para todas as idades. O roteiro inclui a orla portuária e fronteira com a Bolívia, onde se chega pelo Canal do Tamengo – único acesso por água do vizinho país ao mar.

Criança brinca de pilotar o barco: diversão de sobra no passeio

Corumbá ganhou o status de “capital” desse paraíso natural porque detém a maior porção do bioma, que ocupa 60% do seu território, com mais de 64 mil km² - é o 11º maior município do Brasil em extensão. Faz limite com sete municípios do Estado e ao Norte com Poconé, Mato Grosso, onde fica o Parque Nacional do Pantanal.

A cidade é um museu a céu aberto, com suas construções do século XIX e registros históricos, que contam a ocupação da região por tribos indígenas extintas, a invasão paraguaia durante a sangrenta Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870) e os tempos de fausto, até os anos 30 do século XX, quando o efervescente comércio fluvial trouxe influências europeias e platinas na sua arquitetura.

Ladeira Cunha e Cruz: aqui se deu a batalha final na retomada de Corumbá, ocupada pelos paraguaios na Guerra da Tríplice Aliança

Casario do Porto

É um dos principais destinos de pesca esportiva e também de turismo de contemplação da natureza. O período do ano, de baixa temporada, é ideal para conhecer uma cidade que cresceu isolada e cuja população tem um modo de viver diferente do resto do Estado, ainda mantendo forte ligação com o velho Mato Grosso e a paixão pelo samba e pelo Rio de Janeiro, de onde herdou a boa malandragem.

O passeio pelo Rio Paraguai pode ser feito em chalanas (botes), que podem ser contratadas na orla portuária, e em grandes embarcações, uma delas a Pérola do Pantanal, em atividades há mais de 30 anos. Com três andares, esse barco tem capacidade para 160 pessoas confortavelmente instaladas, com restaurante climatizado, espaço para dançar com música ao vivo e piscina no deck, onde se tem uma vista privilegiada do Pantanal e da cidade.

Funcionario do barco serve o delicioso e afrodisíaco caldo de piranha

O passeio na Pérola do Pantanal, para mínimo de 30 pessoas, tem a duração de 3h30, e custa R$ 110,00, com tudo incluso, desde o suculento almoço pantaneiro, sobremesa, caldo de piranha, caipirinha e petiscos. O barco navega mansamente pelo rio em duas direções, sempre circundando a orla com suas encostas rochosas, de onde se avista o Casario do Porto, patrimônio nacional.

Pausa para pescaria

Depois da passagem pela captação de água, uma estrutura de concreto construída nos anos de 1960 na curva do rio, a Pérola leva o visitante até a fronteira com a Bolívia, pelo Canal do Tamengo. O acesso ao vizinho país, onde se concentra forte comercio de roupas e equipamentos eletrônicos, é feito também por rodovia, a uma distância de 5 km.

Segundo andar do Pérola é destinado aos assentos, com ampla visão do ambiente ao redor

Na descida do rio, a embarcação cruza toda a área portuária de Corumbá em direção a Ladário, cidade-gêmea que já foi distrito e abriga a fortificação da Marinha, construída em 1873. No trajeto, comunidades ribeirinhas, hotéis, portos de embarque de minério, soja e gado. No alto da encosta, também de avista o Forte Junqueira, em área do Exército, instalado em 1871.

O passeio segue animado, com as pessoas dançando numa mistura de ritmos brasileiros e fronteiriços, ao som de teclado, enquanto o barco chega ao Rio Bracinho, um afluente do Paraguai, abaixo da base naval da Marinha. Momento mais esperado pelas crianças: é hora da divertida pesca de piranha com varinha de bambu. 

ESTRADA

O acesso a Corumbá, pela BR-262, é uma rodovia em boas condições de tráfego e controlada por 25 radares fixos ao cruzar o Pantanal. A partir de Campo Grande, opções de ônibus em horários diários, de 6h à meia-noite, com duração de seis horas.

Para quem prefere viajar de carro, uma dica: não dirigir a noite, devido ao risco de animais na pista e falta de serviços de socorro e posto de combustível após Miranda, a 220 km de Corumbá.

Turistas se divertem ao som de ritmos fronteiriços

SERVIÇO

Criança até cinco anos não paga o passeio de barco na Perola do Pantanal; de seis a dez, R$ 50,00. O preço dos passeios em botes para até doze pessoas, com cobertura para proteger do forte calor, varia de R$ 15,00 a R$ 25,00, por uma hora. Também é possível, no porto-geral, alugar um caiaque simples ou duplo por R$ 15,00/pessoa e remar por uma hora pelo rio. Mais informações: 3231.1460/99282.7794 (Watts).  www.naviokalypso.com.br

Outro programa interessante para fazer na cidade é o city tour Corumbá Encantadora, da Agência Joicetur. Percorre em micro-ônibus o centro histórico, no porto-geral, incluindo o Museu de História do Pantanal (Muhpan), mantido pela Fundação Barbosa Rodrigues, e o monumento do Cristo Rei do Pantanal, no Morro do Cruzeiro. Com opção de esticar o passeio até a Bolívia. Valor: R$ 50,00/60,00. Informações: 3232.4048/99912.0265 (Watts). www.joicetur.com.br

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável

Mahatma Gandhi

Vídeos

Programa Pesca & Amizade, com Marun

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Páscoa 2021 no Pantanal

MÁRIO WILLIAM ESPER

Abundância de água, escassez de investimentos

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Uma realidade vergonhosa