segunda, 05 de dezembro de 2022
COP 27

Brasil abre painéis com foco no mercado global de carbono

09 NOV 2022 - 14h36Por Silvio de Andrade

O estande do Brasil na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP 27, realizada em Sharm El-Sheik, no Egito, foi inaugurado oficialmente na terça-feira (8.11).

A abertura contou com a participação, por parte do governo federal, do ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, por meio de videoconferência. A programação também teve a participação, diretamente do Brasil, do ministro da Educação, Victor Godoy, e do secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys. O estande brasileiro funcionará até o final da COP 27, no dia 18 de novembro.
 
“Estamos aqui para mostrar um Brasil real. Um Brasil das energias verdes, que passa por agricultura sustentável, por uma indústria de baixo carbono, pelo empreendedorismo verde, e nada melhor do que estar junto do setor privado para dar escala a essa nova economia verde”, afirmou o ministro Joaquim Leite, referindo-se aos apoiadores do Brasil na COP 27.
 
O estande do Brasil em Sharm El-Sheik tem o apoio da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE).

A solenidade oficial de abertura foi marcada pelo primeiro dia de painéis e um dos temas principais foi a Integração do Brasil no Mercado Global de Carbono. Apresentado pelo secretário Nacional da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente, Marcelo Freire, o debate contou com a participação da representante do Ministério do Meio Ambiente do Japão, Maiko Uga, e do superintendente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Fabio Ribeiro, além do presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o brasileiro Marcos Troyjo, e de representantes de empresas ligadas ao mercado de carbono.
 
“Temos que acelerar as ações. Quando pensamos em 2030 pode parecer que está distante, mas não está. Existem muitos países interessados no mercado de carbono e o Japão é um deles. Estamos muito animados em nos juntar ao Brasil neste mercado internacional de créditos de carbono”, disse Maiko Uga, representante do Ministério do Meio Ambiente do Japão.
 
Leilão global
 
Por possuir uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, com 84% de sua matriz elétrica tendo origem em fontes renováveis, contra uma média de 28% do restante do planeta, o Brasil tem potencial para se tornar um dos principais atores no mercado global de crédito de carbono.
 
Trata-se de uma realidade que já está em curso no país e a prova disso foi o papel do Brasil no maior leilão do mundo de créditos de carbono do mercado voluntário, realizado na última semana de outubro na Arábia Saudita.
 
O leilão contou com a participação de mais de 15 países que ofertaram créditos. Das 1,4 milhão de toneladas de créditos de carbono negociadas, 250 mil toneladas, o maior volume nas negociações, eram do Brasil.
 
Em sua apresentação, Fabio Ribeiro destacou a atuação do BNDES no desenvolvimento e fortalecimento do mercado de créditos de carbono no Brasil e lembrou que o banco já realizou dois Editais de Chamada para Aquisição de Créditos de Carbono no Mercado Voluntário. O primeiro, em maio, foi uma operação-piloto no valor de até R$ 10 milhões. O segundo, no final de agosto, teve valor de R$ 100 milhões. A primeira chamada teve uma demanda de projetos de R$ 20 milhões. Na segunda, a demanda foi de R$ 500 milhões.
 
Outro exemplo do potencial brasileiro foi apresentado por Eduardo Bastos, um dos palestrantes e representante da maior exportadora de carne da América Latina. Segundo ele, em julho deste ano, o Brasil exportou, pela primeira vez no mundo, um lote de carne com zero pegada de carbono.
 
“Todas as emissões da cadeia, desde a pastagem até a chegada em uma churrascaria na Alemanha, foram neutralizadas no processo. A recepção deste produto foi incrível. A aceitação foi alta e, desde então, já exportamos o produto para mais de 15 clientes em mercados da Ásia, Europa e Estados Unidos”, detalhou Eduardo Bastos.

Demais painéis
 
No total, o primeiro dia de programação do estande do Brasil na COP 27 contou com a realização de seis painéis. Além do mercado de carbono, foram debatidos o Futuro Verde na Mobilidade Urbana, a Governança como Instrumento de Aceleração do Desenvolvimento Sustentável na Gestão Pública, o Aperfeiçoamento do Inventário Nacional de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (GEE), o Mercado de Capitais e Ativos Ambientais e o Projeto Escola +Verdes, que contou com a participação do ministro da educação, Victor Godoy.
 
“Sabemos da importância de levar para dentro das escolas a educação ambiental”, ressaltou o ministro da Educação, que apresentou o Projeto Escola +Verdes ao lado do ministro Joaquim Leite. Juntos, eles mostraram os casos de sucesso de escolas que receberam biodigestores, aparelhos que transformam resíduos orgânicos em biogás e fertilizantes líquidos, e que servem de exemplo claro e didático para que os alunos aprendam conceitos ambientais, como a importância da reciclagem.
 
Além da área destinada aos painéis, o estande do Brasil em Sharm El-Sheik conta ainda com o Palco Empreendedor SEBRAE, também inaugurado nesta terça-feira, onde são apresentados casos de sucesso de startups ligadas à economia verde.
 
O estande do Brasil na COP 27 já foi visitado por representantes de diversas delegações estrangeiras, como Estados Unidos, México, Egito, Suécia, Coreia do Sul, Colômbia, Alemanha, Escócia e Omã.
 

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Nos dias de hoje, o pantaneiro é um ser que hesita entre o apego às tradições do passado e o apelo às inovações do mundo presente

Albana Xavier Nogueira, professora e escritora

Vídeos

Conheça a Reserva da Biosfera do Pantanal

Mais Vídeos

Eco Debate

MÔNICA SCHIMENES

COP 27: mais do que promessas, precisamos de ações

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pao, pão e pon sotaques do rio acima e rio abaixo

MARK DIKSON

COP27 reconhece o valor do trabalho híbrido para o futuro do planeta