sábado, 24 de fevereiro de 2024
ÁGUA DE LASTRO

“Bioinvasões” causadas por navios preocupam

13 JUL 2017 - 21h11Por Redação

O uso da água de lastro em embarcações é um tema que gera discussões há décadas entre os principais países do mundo e voltou à tona este ano graças à Convenção Internacional sobre Controle e Gestão de Água de Lastro e Sedimentos de Navios, marcada para entrar em vigor, mundialmente, no dia 8 de setembro de 2017.

Aprovada pela International Maritime Organization - IMO (Organização Marítima Internacional), a Convenção tem como objetivo reduzir os riscos de “bioinvasões” no meio ambiente, preservando a biodiversidade e as riquezas naturais do planeta. Isso porque, mesmo com o intuito de manter a estabilidade das embarcações, a água de lastro transportada pelos navios também pode causar impactos ambientais devido à introdução de organismos aquáticos originários de outros ecossistemas, como algas tóxicas, agentes patogênicos e espécies exóticas.

Segundo dados do IMO, o transporte marítimo movimenta mais de 80% das mercadorias do mundo e transfere de 3 a 5 bilhões de toneladas de água de lastro, em média, a cada ano, deslocando cerca de 7.000 espécies entre diferentes regiões do globo diariamente.

Para combater essa migração, a entidade reguladora estabeleceu, em fevereiro de 2004, novas regras com relação a esta prática, como a que determina que cada navio tenha a bordo um plano específico e individual de gestão de água de lastro.

Dificuldades

Outra medida é a imposição de que, sempre que possível, as embarcações façam a troca da água de lastro a pelo menos 200 milhas náuticas da terra mais próxima, em zonas com pelo menos 200 metros de profundidade.

No entanto, a IMO também estipulou que o acordo só entraria em vigor um ano após um mínimo de 30 países terem aceitado as normas impostas, requisito atendido com a adesão da Finlândia em setembro de 2016. O Brasil já havia assinado a favor das regras em 2005.

O diretor do Grupo RINA na América do Sul, especializado em treinamentos certificados para os profissionais do mercado marítimo, Maurizio Nigito, é um dos profissionais que concordam com a implantação das novas regras. “Sem dúvida alguma estas normas tendem a diminuir os riscos trazidos pela água de lastro, auxiliando na preservação da fauna marinha, dos oceanos e do meio ambiente como um todo”, afirma.

Entretanto, Nigito alerta que o acordo implica também em algumas dificuldades para que os players do setor possam atendê-lo de imediato. “Exemplos disso são os navios que já estão em operação e não possuem os equipamentos necessários para fazerem a filtragem da água de lastro, tendo que instalá-los”, diz.

“O problema – pondera - é que eles são muito caros, além de demandarem grandes espaços das embarcações. Para os navios que estão em construção ou que ainda serão construídos é mais fácil incorporar esse tipo de tecnologia, pois podem ser planejados para contê-los desde o início dos projetos”.

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Fogo não é mais normal nem cultural em MS. Esta é a primeira ruptura. Vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação

Vídeos

Esportes radicais: calendário de 2024

Mais Vídeos

Eco Debate

ZECA CAMARGO

Dentro da Terra, dentro de mim

Silvio de Andrade

Desembaraçando pantaneiros dos antropizadores 

AFONSO CELSO VANONI DE CASTRO

"Ameaças são naturais, desastres não"