sexta, 20 de maio de 2022
PONTA PORÃ

AUTORIZADO INÍCIO DA OBRA DE RESTAURAÇÃO DO CASTELINHO

19 JAN 2022 - 10h30Por REDAÇÃO

Reunião de trabalho do secretário estadual de Cidadania e Cultura, João César Mattogrosso, com o prefeito de Ponta Porã, Hélio Peluffo, alinhou detalhes para o início da restauração do Castelinho, prédio histórico construído na década de 1920 na fronteira com o Paraguai. A obra está autorizada e a ordem de serviço para a reforma deve ser assinada nos próximos dias pelo Governo de Mato Grosso do Sul.

“Estamos felizes por estar fazendo parte da história de Ponta Porã com esta restauração. Uma obra importante para a cidade, uma obra construída em 1926, e que agora passa por esta restauração importante, fruto da sensibilidade do governador Reinaldo Azambuja e do trabalho da Fundação de Cultura”, destacou Mattogrosso.

A obra será executada pelo Estúdio Sarassá - Conservação e Restauração, empresa escolhida por meio de licitação que tem vasta experiência na realização de grandes obras de restauração no Brasil. A expectativa é que a revitalização seja concluída até o final deste ano para ser entregue à Ponta Porã.

 

O abandono do prédio gerou ação do Ministério Público, diante das inúmeras reclamações da população, que instaurou um inquérito civil para apurar de quem era a responsabilidade sobre o prédio, já tombado pelo município e também pelo Estado em 2008. Na época (2013) até chegou a ser feito, pela Fundação de Turismo e Fundação de Cultura,  um Plano de Trabalho que acabou não sendo realizado por falta de recursos.

Obra emblemática

O encontro que tratou do levantamento e reconhecimento do prédio para o início da obra contou com a participação do diretor-presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), Gustavo Cegonha, do vice-prefeito, Eduardo Campos, e do presidente da Câmara de Vereadores, Vanderlei Avelino.

“Foi extremamente produtiva a reunião e estar in loco para verificar as condições em que se encontra o prédio e vislumbrar o que será o projeto com a reforma é de extrema importância. A população de Ponta Porã e de todo o Estado está ansiosa pelo resultado desta obra emblemática para Mato Grosso do Sul”, disse o diretor-presidente da Fundação de Cultura, Gustavo Cegonha.

O governador Reinaldo Azambuja lançou as obras de reformas dentro do pacote de ajuda ao setor cultural. “Vamos fazer um grande investimento na melhoria das estruturas de cultura, para melhorar as condições e assim resgatar a história destes locais. São R$ 78 milhões de investimento no setor”, afirmou.

O investimento previsto para a reforma do Castelinho é de R$ 4 milhões. Construído na década de 20, o prédio já foi a sede do governo na fronteira e a expectativa é que seja transformado em um museu para contar a história da cidade e do Estado.

Prédio histórico

O Castelinho é palco importante da cultura e da história de Ponta Porã e de Mato Grosso do Sul. Foi projetado na década de 1920 para ser utilizado como base governamental na fronteira e sua construção durou quatro anos (1926 a 1930). Foi erguido próximo à antiga estação Noroeste do Brasil com recursos federais e contribuições sólidas da Companhia Matte Larangeira.

De 1943 a 1946 foi sede do governo do Território de Ponta Porã, e depois abrigou a cadeia pública e o quartel da Polícia Militar. Já na década de 90, deixou de servir a segurança pública, com a transferência da corporação para outro prédio, perdendo assim sua função e acabou se deteriorando.

Esta restauração proposta pelo Governo do Estado visa justamente dar um "novo caminho" para este local que faz parte da história.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Muitas pessoas falaram que a gente não ia terminar essa obra. Mas o Bioparque Pantanal se tornou motivo de orgulho pra mim e pra toda a população do Estado

Eduardo Riedel, ex-secretário de Infraestrutura de MS

Vídeos

Festival América do Sul Pantanal em Corumbá MS

Mais Vídeos

Eco Debate

IRAN COELHO DAS NEVES

Marechal da Paz: nossa dívida com Rondon

VIRGINIA VAAMONDE

O papel da sociedade para um Brasil mais sustentável

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

A malhada (parte final)