quarta, 01 de fevereiro de 2023
PESQUISA

ATITUDES E COMPORTAMENTOS PRÓ-AMBIENTAIS EM CRIANÇAS

05 MAI 2021 - 07h42Por REDAÇÃO

Cada dia mais impactantes, as mudanças ambientais – em significativa parte geradas pelos impactos de destrutivas ações humanas ao meio ambiente – são fonte de preocupação quanto à futura sobrevida no Planeta. Respostas antagônicas a esse atual comportamento temerário podem vir de crianças que um dia poderão estar preparadas para mudar esse cenário.

“Assumir uma perspectiva mais social e psicológica ao tratar de comportamentos relacionados ao meio ambiente implica considerar o fator humano como importante agente desse processo, já que suas ações podem tanto intensificar quanto minimizar os problemas ambientais”, é o que enfatiza a professora Ana Karla Silva Soares, da Faculdade de Ciências Humanas e coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Psicometria e Psicologia Social (NPPPS), da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

A pesquisadora realiza o projeto de pesquisa “Atitudes e comportamentos pró-ambientais em crianças: correlatos valorativos da personalidade e perspectiva de futuro”. Para ela, é fundamental identificar os fatores que estão relacionados à promoção de comportamentos pró-ambientais desde a infância, de forma a promover entre as futuras gerações comportamentos de preservação.

“Nos últimos anos, a preocupação com questões ambientais tem perpassado o contexto acadêmico e cada vez mais faz parte do senso comum. Jornais, revistas e as próprias escolas estão discutindo sobre o assunto diariamente. Partindo desta necessidade e do meu interesse acadêmico em estudar crianças, elaboramos o projeto com o objetivo de verificar a relação entre a atitude e comportamento pró-ambiental com a perspectiva de futuro, valores humanos e personalidade em amostra de crianças, enfatiza Ana Karla.

Compromisso com o meio

Para isso, foi formulado um modelo explicativo para predizer as atitudes e comportamentos pró-ambientais a partir das variáveis utilizadas na pesquisa.

Segundo a pesquisadora, “muitas destas variáveis se formam na infância, sendo as experiências, valores, personalidade e conhecimento construídos nesta fase importantes para moldar as atitudes e comportamentos na fase adulta e assim vislumbrar um futuro em que a sociedade tenha interesse e empenho de preservar o meio ambiente”.

Com a colaboração de pesquisadores da região Nordeste – Viviany Silva Pessoa, da Universidade Federal da Paraíba e Roosevelt Vilar Lobo de Souza, da Faculdades Integradas de Patos, além de bolsistas PIBIC e voluntários, a coordenadora da pesquisa espera que, na prática, os resultados fundamentem a elaboração de projetos futuros de intervenção.

“Que eles permitam a devolutiva dos achados da pesquisa a comunidade no geral, na medida que se promova mais atitudes e comportamentos de compromisso com o meio ambiente a partir das ferramentas que a análise científica e empírica dos dados fornecerá a partir dos achados desta pesquisa”, afirma.

Valores humanos

Iniciada em março de 2019, a pesquisa deveria estar em fase de finalização, mas como o público da pesquisa são crianças de 9 a 12 anos e o contato se faria por meio da sala de aula, a pandemia não possibilitou sua realização como originariamente pensado.

“Assim, foi necessário elaborar adaptações (por exemplo, solicitar autorização do CEP para realizar a coleta eletronicamente) para prosseguir com a coleta dos dados tanto em nossa região quanto no Nordeste, contando com a colaboração de pesquisadores de outras instituições de ensino. No momento, estamos nesta fase e esperamos até o mês de julho concluir para iniciar as análises das informações e elaboração de manuscritos que serão submetidos a revistas nacionais e internacionais”, explica Ana Karla.

O projeto inclui crianças das regiões Centro-oeste e Nordeste do país, cujos pais/mães/responsáveis autorizem e também aceitem participar.

Os resultados parciais da pesquisa permitiram ao grupo ganhar o prêmio de melhor painel apresentado “Escala de Atitudes Ambientais das Crianças: avaliando evidências preliminares de adequação psicométricas”, no evento nacional da Associação Brasileira de Psicologia Ambiental e Relações Pessoa-Ambiente durante a 49ª Reunião da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP).

“Como visão geral e inicial, observamos que os valores humanos (crianças que atribuem mais importância a valores interativos), traços de personalidade (crianças mais sociáveis), visão do futuro (crianças com visões mais otimistas) são relevantes na descrição de crianças que tendem a apresentar atitudes de preservação e comportamentos de preservação mais elevados”, completa.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Quando morre um rio, morremos todos, pois somos parte da humanidade que necessita do ambiente equilibrado

Gilberto Mendes Sobrinho, juiz federal de MS, ao determinar a recuperação do Rio Taquari, em 2013

Vídeos

Parque Ecológico Rio Formoso

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Cerimônia de formatura no Pantanal

JOÃO GUILHERME SABINO OMETTO

Do discurso da COP 27 à prática do agro brasileiro

LARISSA LANDETE

Comunicar sustentabilidade precisa ser uma jornada