sexta, 21 de junho de 2024
ARTIGO

Um dia pelo Meio Ambiente, 300 anos pela pecuária conservando o Pantanal

05 JUN 2024 - 14h21Por EDUARDO CRUZETTA

O Pantanal, com seus vastos campos nativos, fornece uma rica oferta de gramíneas e leguminosas que são consumidas por herbívoros, como o gado. Estudos científicos indicam que, no passado, o Pantanal abrigava grandes herbívoros que desempenhavam um papel crucial na manutenção da biomassa vegetal. Hoje, o gado bovino, manejado de forma sustentável e com lotação adequada, assume esse papel essencial. Ao consumir a biomassa, os bovinos ajudam a controlar o crescimento excessivo de vegetação, prevenindo incêndios naturais ou acidentais que podem devastar grandes áreas.

A conversão da biomassa em proteína animal é um processo que contribui para a produção de alimentos de alta qualidade. Ao invés da vegetação ser queimada pelo fogo, ela é "queimada" no rúmen do animal, passando por um processo de fermentação que resulta em carne. Além dos benefícios diretos para a vegetação, a pecuária no Pantanal tem um impacto ambiental relativamente pequeno sobre outras espécies da fauna local, mantendo a riqueza genética e a diversidade das espécies pantaneiras. Tanto que o pantanal é considerado um "Santuário Ecológico " pois abriga espécies da fauna de todos os biomas vizinhos, e que ali encontram-se protegidas da extinção.

A recente Expedição Pantanal Sustentável, organizada pela ABPO através do Governo do Estado do MS, reuniu diversas instituições como a Embrapa, ONGs, universidades, a Federação de Agricultura do Mato Grosso do Sul, produtores e a comunidade pantaneira. Rodando cerca de 760 km entre os pantanais de Aquidauana, Nhecolândia até a sub-região do Rio Negro, cruzando a Nhecolândia de sul a norte e chegando próximo à margem do Taquari, a Expedição marcou um importante avanço na integração e articulação entre produtores e instituições que atuam no Pantanal. Essa colaboração é fundamental para a aplicação das novas legislações, resultantes de um amplo debate e consenso, que precisam reforçar e reconhecer o papel do produtor pantaneiro na conservação do bioma.

Vivemos um momento de grande oportunidade, com o Brasil consolidado como um player importante no mercado global de carne. Nos últimos dez anos, a exportação de carne brasileira aumentou consideravelmente, abrindo novos mercados e expandindo as oportunidades para os produtores. Esse cenário exige uma integração maior e mais madura com o mercado global, alinhada com práticas sustentáveis que garantam a preservação do nosso valioso bioma pantaneiro.

A legislação atual, que inclui o Código Florestal e a nova lei do Pantanal, impõe limites claros para a preservação das áreas florestais e campos nativos, garantindo a conservação da biodiversidade. E caminhando ao lado, temos mecanismos de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) como o Fundo Clima Pantanal, recém criado pelo governo estadual na lei do Pantanal e o REDD+ (Crédito de Carbono) que incentivam a conservação e a remuneração dos produtores pelos serviços ambientais prestados.

O que fica cada vez mais evidente é que a pecuária pantaneira é uma aliada poderosa na proteção do bioma. Em face ao Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado neste 5 de junho, temos como cenário a relação harmoniosa entre a atividade pecuária e o Pantanal, que coexistem há 300 anos. Uma prova de que é possível a integração entre produção e conservação, um marco que deve ser celebrado e reforçado, garantindo um futuro sustentável para o Pantanal e o Pantaneiro.

* Presidente da Associação Pantaneira de Pecuária Orgânica e Sustentável (ABPO)

Leia Também

Relatos de viagem

Gabi viveu o deserto e o céu mais estrelado do mundo

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Leio a manchete: 'deputados de MS propõem audiência para solucionar queimadas'. Pantanal está salvo, graças a Deus!

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos