segunda, 05 de dezembro de 2022

Pao, pão e pon sotaques do rio acima e rio abaixo

09 NOV 2022 - 11h36Por ARMANDO ARRUDA LACERDA

Três cenas semelhantes, três sotaques distintos, e a contribuição à cultura universal de nossas simplórias aldeias pantaneiras do velho Mato Grosso...

ato 1 Cena 1 Poconé 

Entra um vendedor de pão, com a jaqueta branca 4 botões do ofício, empurrando uma bicicleta triciclo, com o baú metálico dos antigos vendedores ou entregadores de pão de quilo.

Ele tira um cartaz onde se vê escrito Poconé, aponta, faz sinal de é aqui, apontando o chão e pendura no baú de bicicleta.

Pigarreia duro e começa a caminhar e anunciar seu produto, em Poconé fala-se o português castiço do século 17, não há acento no “ão”, ele se pronuncia com som aberto “áoo”, não “pao”, mas sim “páoo”.

--Olha o páoo! Olha o páoo! Olha o páoo!

Detém-se, olha interessado por cima da cerca, eis que é a casa de Dona Tita, sua freguesa, e tenta a venda:

-- Nhá Tita, qué páoo?" 

Imediatamente a decepção se estampa!

-- Náoo?", fala alto, balançando a cabeça, falando agora triste para si mesmo: “Hodje náoo, ela náoo qué páoo...”

Ato 2 Cena 2 Cáceres 

Entra um vendedor de pão, com a jaqueta branca 4 botões do ofício, empurrando uma bicicleta triciclo, com o baú metálico dos antigos vendedores ou entregadores de pão de kilo.

Ele tira um cartaz onde se vê escrito Cáceres, aponta, faz sinal de é aqui, apontando o chão e pendura no baú de bicicleta.

Pigarreia duro e começa a caminhar e anunciar seu produto, em Cáceres fala-se o português temperado com o espanhol fronteiriço, não se pronuncia “ão” e sim “on” , pão é “pon”, não é “non”.

--Olha o pon! Olha o pon! Olha o pon! 

Detém-se, olha interessado por cima da cerca, eis que é a casa de Dona Tita, sua freguesa, e tenta a venda:

-- Nhá Tita, qué pon?" 

Imediatamente a decepção se estampa!

--Non?" fala alto, balançando a cabeça falando agora triste para si mesmo: “Hodje ela  non qué pon...”

Ato3 Cena 3 Livramento

Livramento, cidade dos papa banana fica entre Cuiabá e Poconé e o sotaque é “iguá”, “iguá”. 

Cidade mais pobre, nosso herói sem bicicleta ou baú, sai anunciando seu produto:

--Olha o páoo! Olha o páoo! Olha o páoo!

Dona Tita, freguesa certa acerca-se da cimbra de acesso à casa...

Apressa-se, voz doce e cantada: 

-- Donaa Titaa, iinhoraa qué páoo?

Dona Tita, voz firme, canta as palavras em contralto anasalado:

-- Meeuu fiioo, sê tivéé beiinn de veiiss, detcha um catcho!

Cai a cortina! 

* Pantaneiro, Porto São Pedro

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Nos dias de hoje, o pantaneiro é um ser que hesita entre o apego às tradições do passado e o apelo às inovações do mundo presente

Albana Xavier Nogueira, professora e escritora

Vídeos

Conheça a Reserva da Biosfera do Pantanal

Mais Vídeos