segunda, 02 de agosto de 2021

O sol que vai iluminar as noites de lua do Pantanal

03 MAR 2021 - 15h30Por JAIME VERRUCK

O jogo proposital de palavras que abre este artigo, num atrevimento emprestado do poeta Manoel de Barros, serve ao lúdico necessário para tentar dar a dimensão, ao Brasil e ao mundo, da importância da implantação de sistemas de geração de energia solar em todo o Pantanal de Mato Grosso do Sul, universalizando o acesso à energia elétrica para 100% das propriedades da região.

A partir de julho de 2021, cerca de 5 mil pessoas que vivem em uma área de 90 mil quilômetros quadrados do Pantanal sul-mato-grossense – o equivalente às dimensões de Portugal – abrangendo os municípios de Corumbá, Aquidauana, Coxim, Ladário, Porto Murtinho, Rio Verde e Miranda poderão substituir as velhas figuras do lampião de gás e dos geradores de energia a óleo diesel por paineis solares e baterias de lítio.

Mais do que um avanço tecnológico em consonância com os novos tempos, trata-se de um salto na qualidade de vida das populações ribeirinhas e dos produtores rurais, que vai proporcionar um ganho significativo para as atividades econômicas da região pantaneira, bem como a consolidação do desenvolvimento sustentável deste importante bioma.

Este projeto, intitulado Ilumina Pantanal, é uma realização conjunta, envolvendo o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, o setor privado, por meio do Grupo Energisa, o Ministério da Minas e Energia, a Agência Nacional de Energia Elétrica e o Concen - Conselho de Consumidores da Energisa. Serão 2066 pequenas usinas solares instaladas, gratuitamente, a partir de julho de 2021 e encerrando em 2022. Outras 101 propriedades pantaneiras serão atendidas por meio da rede de energia tradicional.

Foram cerca de três anos de levantamento de toda a necessidade de energia elétrica para abastecer o Pantanal, observando-se os períodos alternados de chuva e seca e a necessidade de se chegar em áreas inóspitas e de difícil acesso. Depois de muito estudo foi definido que o modelo mais adequado seria a geração de energia solar fotovoltaica. Serão sistemas isolados de geração, com bateria de lítio, autossuficientes, que passam a compor o sistema de geração de energia do Estado.

O sol que vai iluminar as noites de lua do Pantanal, também vai levar mais conforto e dignidade para as residências de pescadores e ribeirinhos, que poderão ter eletrodomésticos como uma geladeira ou um freezer, impactando significativamente no bem estar, na saúde e na geração de renda dessas famílias.

Para a agropecuária, principal atividade econômica na região, já reconhecida e consolidada por sua produção sustentável, a energia solar vai proporcionar um ganho efetivo com o uso de uma energia limpa e renovável. Com a disponibilidade de energia elétrica a toda a região, o turismo também poderá ser expandido para lugares com potencial ainda pouco explorados na região pantaneira.

Trata-se de um projeto inovador, sustentável e audacioso que deve posicionar Mato Grosso do Sul como o Estado com o maior número de placas solares instaladas em um mesmo Bioma no Brasil. Estamos trazendo o desenvolvimento sustentável de nosso Estado para um novo patamar e promovendo um salto de dignidade e qualidade de vida ao povo pantaneiro e futuras gerações.

* Secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul

Leia Também

Relatos de viagem

Rota das emoções: lugares de ver Deus...

Mais Relatos de Viagem

Megafone

É a nova Genesis, o pantaneiro deixou de ser invisível

Pantaneiro Armando Lacerda, sobre a chegada da energia elétrica no Pantanal

Vídeos

Embratur promove o turismo doméstico

Mais Vídeos