quarta, 01 de fevereiro de 2023

O crescimento do Mercado de Carbono e o potencial do Brasil nele

14 JAN 2023 - 09h35Por ALESSANDRA GASPAR COSTA

O mundo parece disposto a cumprir o Acordo de Paris, assinado por 196 países e que visa desacelerar o aquecimento global. É isso que indicam os dados do Ecosystem Marketplace (EM) - fonte global líder de informações sobre finanças ambientais, conduzida pela organização sem fins lucrativos, Forest Trends --, que apresenta um grande crescimento no valor anual de negociações do mercado de carbono voluntário em 2021, atingindo a marca de 1,98 bilhão de dólares -- aumento de quase 300% em comparação a 2020, onde o valor era de US$ 520 milhões.
 
O relatório da EM também mostra que a maior parte do lucro do mercado voluntário de carbono encontra-se na categoria “floresta e uso de terra”, somando US$ 1,32 bilhão, área em que o Brasil possui vantagem pela grande presença de floresta Amazônica em seu território --.
 
Um estudo realizado pela ICC Brasil (International Chamber of Commerce) em 2021, mostra que o Brasil possui capacidade de suprir 22% da demanda do Mercado de Carbono global.
 
A cada tonelada de gases de efeito estufa (GEE) não emitida, é gerado um crédito de carbono, que pode ser vendido para empresas ou governos de países que necessitam atingir metas de redução de GEE, mas não consegue por algum motivo.
 
Para participar do mercado de carbono é necessário calcular, primeiramente, a pegada de carbono da organização. A partir dela é possível traçar estratégias para reduzir as emissões, resultando em créditos de carbono para comercialização.


O Brasil também enxerga esse mercado como promissor para o país e o incentiva. O segundo edital da Chamada para Aquisição de Créditos de Carbono no Mercado Voluntário foi lançado ano passado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com objetivo de financiar o desenvolvimento do mercado de carbono, incentivando padrões de qualidade para projetos de descarbonização.
 
O valor é de R$ 100 milhões no total, e serão consideradas as categorias reflorestamento, redução de emissões por desmatamento e degradação florestal, energia e agricultura sustentável -- com aporte de até R$ 25 milhões por projeto.
 
Em 2022, foi assinado pelo Governo Federal o Decreto nº 11.075/2022, estabelecendo bases para um mercado de carbono regulado. Entretanto, ainda sem previsão para ser votado na Câmara dos Deputados, tramita o Projeto de Lei 528/21, que institui, de fato, o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE).
 
O mercado de carbono tende a continuar crescendo, principalmente quando for regulamentado. Entretanto, é importante ressaltar que as organizações que se anteciparem, e calculem sua pegada, visualizando seu potencial e, se possível, participando do mercado voluntária, estarão à frente da concorrência no momento que houver a regulamentação.


 
*Alessandra Gaspar Costa é diretora-executiva da APCER Brasil, empresa de origem portuguesa, reconhecida mundialmente como um dos principais prestadores de serviços de certificação, auditoria a fornecedores, auditoria interna e treinamento. 
 

Leia Também

Relatos de viagem

Conte suas aventuras aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Quando morre um rio, morremos todos, pois somos parte da humanidade que necessita do ambiente equilibrado

Gilberto Mendes Sobrinho, juiz federal de MS, ao determinar a recuperação do Rio Taquari, em 2013

Vídeos

Parque Ecológico Rio Formoso

Mais Vídeos