segunda, 22 de julho de 2024

Curso rápido do falar 'matogrossês'

31 MAI 2023 - 16h34Por ARMANDO ARRUDA LACERDA

Selecionando meia dúzia de palavras parece que alguns especialistas da internet ou entremete em nosso dialeto local, se puseram a compor um mapa dos dialetos brasileiros...

Aparentemente, ficaram longe da história de uma região planejada na Universidade de Coimbra, que determinaram aos oficiais da Metrópole Portuguesa que enfrentassem os Espanhóis, bêbados com a prata andina, em defesa territorial do Brasil.

Forte Principe da Beira e Vila Bela foram o início, depois do ouro de Cuiabá desceram o cinturão estratégico geopolítico para fundar Vila Maria (Cáceres), São Pedro do Beripoconé (Poconé), Albuquerque (Corumbá) e Forte de Coimbra, no Fecho dos Morros.

O Marco do Jauru celebra a consolidação no Tratado de Madri, quando os espanhóis cederam toda esta região do Rio Paraguai na Capitania do Mato Grosso, até o afluente do chamado Rio Apa.

Com o esgotamento das minas este povo mato-grossense  ficou isolado do Brasil por quase dois séculos, mantendo e evoluindo o idioma português do século XVII, de uma maneira extremamente peculiar, e é falado cantando as palavras e prolongando musicalmente as vogais de determinadas sílabas.

O Cuiabanês, o Cacerês, o Livramentanês, o Poconeanês e o Corumbês são todos parlantes de um idioma comum, só diferenciando maior ou menor dose de espanhol em Corumbá e Cáceres, basicamente centrada no ão de pão e não, mais para pom e nom nestas duas cidades e mais para paau e naau nas outras três...

De resto, palavras comuns como vôte, dôs, três, déss, além de pronúncias comuns pra ch e o x nas palavras como tchuuva em vês de chuva, tchuutcháá em vez de Xuxa ou chuça, tchupeta,  pitchiito, pixito ou priquiitoo para o órgão sexual masculino , enfim bem falado tem caracteristicas de um verdadeiro dialeto,  tomemos por exemplo uma frase em português:

"Maria, olhe seu muro, tem alguém observando!"

No dialeto mato-grossense vira algo assim :

"Máriiáá, ispiia tchôo muuroo, teiin dgeentee pombeáándo!"

Sempre musical nosso dialeto comum, talvez essa musicalidade tenha levado os especialistas a confundirem com o sertanejo gênero musical, jamais falamos ou falaríamos donde e sim aadoondee, diatcho como expressão de djéévaa, atcho que naaoo cabe tôômeem...

Pinote no sentido de toomáá veento ou dáá um paasseiioo, tôômeem num vóógaa, empriiquiitáá  atcho que ocêês diiscunfiiaa do quee éé, deixo por motivos óbvios de citar seu sinônimo empiitchiitáá  para não pensarem que terminamos falando de política. 

Tratoodiiaa!

(*) Pantaneiro do Porto São Pedro falante de corumbês

Leia Também

Relatos de viagem

Gabi viveu o deserto e o céu mais estrelado do mundo

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Leio na mídia: "Bugio expressa ternura ao ver a irmã com o sobrinho no Pantanal..." É muita masturbação.

Silvio de Andrade, jornalista

Vídeos

Cavalo Pantaneiro, patrimônio genético

Mais Vídeos