segunda, 25 de outubro de 2021

Gabriel Calderon, do Comtur Bonito: "Garantir a biossegurança do nosso visitante continuará sendo o objetivo principal”

31 AGO 2021 - 21h44Por SÍLVIO DE ANDRADE

Bacharel em administração de empresa e turismo, Gabriel Calderon Maciel, 33 anos, assumiu a presidência do Conselho Municipal de Turismo de Bonito (Comtur) em um período crucial para o setor, que retoma gradativamente às atividades após um período de paralisação e incertezas devido a pandemia do coronavírus.

Gerente das unidades do Sesc na Capital do Ecoturismo, Gabriel está confiante na retomada definitiva do turismo na medida em que avança a vacinação no país e no mundo, acentuando que os protocolos de biossegurança tem sido fundamentais para garantir a normalidade no setor.

“Os protocolos vieram em um período conturbado e derivado disso tem muitas exigências, mas garantir a biossegurança do nosso visitante continuará sendo o objetivo principal”, afirma.

Gabriel está há cinco anos à frente das unidades do Sesc em Bonito, mas antes de assumir esta missão foi gerente de restaurante. É também chef internacional de cozinha.

Em entrevista a Lugares, ele fala das metas como presidente do Comtur, do turismo local pós-pandemia e dos novos projetos do Sesc Bonito, empreendimento que faz parte do seleto grupo de 10% dos melhores hotéis do mundo, segundo o renomado site de viagens TripAdvisor.

Também comenta sobre a preocupação com a sustentabilidade do polo turístico com o avanço da agricultura. “Vejo que o agronegócio e ecoturismo não são pontos isolados, mas fazem parte do mesmo ecossistema”, sustenta.

A entrevista:  

1. Qual a análise que o Comtur faz dessa retomada do turismo em Bonito?

Gabriel Calderon - Nós estamos muito confiantes com a retomada do turismo no município, foram tempos muito difíceis, mas, conforme a vacinação avança, percebemos que a demanda no nosso município aumenta. Estamos prontos para recebe-los e respeitando os protocolos de biossegurança, já que eles foram primordiais para manter a cidade funcionando.

2. Quais são as metas do conselho para o cenário que se desenha a partir de um novo perfil de turista pós-pandemia?

Temos certeza que, como mencionado, os protocolos de biossegurança vieram para ficar. Hoje o turista se preocupa mais com isso e faz parte do processo de hospitalidade garantir a segurança dos nossos visitantes. É claro que os protocolos vieram em um período conturbado e derivado disso tem muitas exigências, mas garantir a biossegurança do nosso visitante continuará sendo o objetivo principal. A exemplo disso, temos o Prêmio Internacional Safe Travels, que nos garante como um destino seguro.

3. O trade aposta na Rota Bioceânica como novo nicho de mercado para o corredor turístico Bonito-Pantanal?

Embora não esteja no nosso controle, com certeza uma rota que nos liga com países vizinhos, como Argentina, Bolívia e Paraguai, seria muito interessante para abrirmos estes nichos de mercado. Antes da pandemia eles representavam uma fatia grande do nosso mercado, mas não devemos esquecer que é necessário colocar na balança os impactos ambientais que isto pode acarretar, pois nosso bioma do Pantanal é um dos mais ricos da América e isto com certeza deve ser levado em consideração.   

4. Muito se fala no avanço do agronegócio. A sustentabilidade é a palavra-chave de Bonito?

A sustentabilidade virou uma tendência e talvez uma questão de sobrevivência. Não dá mais para negar o impacto que estamos causando no mundo, todas as atividades influenciam no seu meio ambiente, com maior ou menor intensidade. Políticas de uso de energia renovável, reciclagem, uso consciente de recursos, tudo isso é de vital importância hoje, ter uma estratégia verde virou necessidade para todas as empresas e para os seres humanos também. Para Bonito, isto não é novo, sempre houve essa preocupação no município, mas não devemos esquecer que o desenvolvimento sustentável é um tripé e a parte social, ambiental e econômica são sua base. O próprio agronegócio também sabe disso e hoje se preocupa muito com a preservação, a exemplo disso temos os fertilizantes orgânicos, que cada vez são mais usados nas lavouras. Vejo que o agronegócio e o ecoturismo não são pontos isolados, mas fazem parte do mesmo ecossistema.  

5.    O Sesc Bonito, que reabriu com pacotes promocionais, já se preparou para 2022? Quais são as novidades à vista?

Estamos investindo nas nossas unidades na cidade, temos um balneário, que recentemente entrou em reforma, e o projeto de um parque sustentável que começará com a construção de uma usina fotovoltaica. Além disso, começaremos a reforma do nosso hotel ainda este ano, sempre com a missão de termos um desenvolvimento social, ambiental e econômico. E, claro, cada vez mais estamos investindo em tecnologia para eliminarmos desperdiço. Hoje já fazemos compostagem com os resíduos orgânicos e, recentemente, adquirimos uma máquina que faz este processo muito mais rápido do que feito naturalmente. Com isto, ganhamos tempo e conseguimos processar maior quantidade de resíduos. Além disso, por meio dos pacotes criamos uma via para que aquele trabalhador do comercio que ainda não conhece Bonito, tenha a oportunidade de conhecer este paraíso na terra. 

Leia Também

Relatos de viagem

Rota das emoções: lugares de ver Deus...

Mais Relatos de Viagem

Megafone

REVITALIZAÇÃO DA LINHA INTERNACIONAL FOMENTA TURISMO DE COMPRAS

SÍLVIO DE ANDRADE

Vídeos

Bonito é referência nacional em saneamento

Mais Vídeos

Eco Debate

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Teses e antíteses ou todo fogo no Pantanal é agropastoril!

MANOEL MARTINS ALMEIDA

Fantástico, o Show da Morte!

THOMAZ LIPPARELLI

Pantanal, uma história que se repete