sexta, 24 de maio de 2024

"Festival de Inverno de Bonito ressignifica o momento que estamos vivendo"

24 AGO 2022 - 13h32Por REDAÇÃO

O secretário estadual de Cidadania e Cultura, Eduardo Romero, está confiante no sucesso da próxima edição do “Festival de Inverno de Bonito” (FIB). O evento, que está marcado para 25 a 28 de agosto, traz para o famoso município sul-mato-grossense mais de 100 atrações de 12 estados brasileiros. 

Eduardo destaca a importância do festival tanto para a cidade de Bonito quanto para a classe artística de MS e frisa que a cidadania cultural está presente em toda programação.

O secretário também é um dos palestrantes do “II Fórum de Gestores e Dirigentes Públicos Municipais de Cultura de MS”, marcado para os dias 26 e 27 de agosto, dentro da programação do FIB, e afirma que o objetivo é discutir o Sistema Nacional de Cultura.

Confira abaixo a entrevista:

1. Qual a importância do “Festival de Inverno de Bonito” retornar em 2022?

Eduardo Romero: O FIB ressignifica esse momento que nós estamos vivenciando em 2022. Um momento pós-pandemia onde nós ficamos todos confinados, distante da vida em coletivo e os festivais, em especial o Festival de Inverno de Bonito, ele traz essa reconexão com a sociedade, com a natureza e com o meio ambiente. Então é fundamental que a gente possa, aos poucos, ainda com cuidados nesse processo de pandemia, tendo que manter nossa vacinação em dia, mas podendo recuperar essa vida em sociedade.

2. De que maneira a cidadania está presente no festival?

A cidadania está inserida no desenho geral do FIB. Quando a gente traz arte e cultura, automaticamente, estamos trazendo também a cidadania. O Festival de Inverno de Bonito não é só um evento festivo. É um evento de identidade, de conexão, de identificação, de trocas de experiências, de rodas de conversa… Nós teremos dentro da programação do FIB todo o aspecto dessa plenitude de ser cidadão e ser cidadã integrando os nossos fazeres e os nossos conhecimentos.

3. Na sua opinião, quais os benefícios que o FIB traz para o município de Bonito e região?

São vários benefícios e não só os econômicos, de tudo que acontece com a economia da cultura, onde você movimenta a cidade, aquece os atrativos turístico, o comércio local, em todas as variáveis possíveis, como também você reforça a imagem de Mato Grosso do Sul para o Brasil e para o mundo. As pessoas estão conectadas com um paraíso que é mundialmente reconhecido.

4. As subsecretarias estarão presentes no festival?

Sim. Nós teremos a participação de nossas subsecretarias no FIB trazendo a divulgação das políticas que são desenvolvidas. Muitas temáticas estarão envolvidas nesta ação na Tenda da Cidadania, como integração das comunidades indígenas, das pessoas com deficiência, da população 60+, da juventude, das mulheres, da comunidade LGBT, dos assuntos comunitários por meio das associações e da promoção da igualdade racial, além da tradicional Tenda dos Saberes Indígenas.

5. Você é um dos palestrantes do “II Fórum de Gestores e Dirigentes Públicos Municipais de Cultura de MS”. Quais os temais principais que vocês irão abordar?

Vamos tratar esta relação direta da cidadania e da cultura. Como integrar esses dois componentes, como discutir as políticas públicas e como atualizar nesse momento duas leis que são fundamentalmente importantes e esperadas para o setor cultural que, indiretamente e diretamente, atinge o setor da cidadania, que é a Lei Paulo Gustavo e a Lei Aldir Blanc da fase dois. Então, basicamente é nesse sentido que a gente vai ter a segunda edição do Fórum de Gestores de MS dentro do festival como um encontro que traz arte, cultura, cidadania e muita integração.
 

Leia Também

Relatos de viagem

A decoada, o armau e história de pescador no Pantanal do Nabileque

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O meio ambientalismo nunca preocupou-se com o meio ambiente. Suas ações são histéricas ou fanáticas em defender interesses inconfessos

Armando Arruda Lacerda, pantaneiro

Vídeos

As 10 cidades mais ricas em espécies de aves

Mais Vídeos

Eco Debate

PAULO DE GODOY

Os desafios da sustentabilidade da jornada de dados para IA

ARMANDO ARRUDA LACERDA

Pantaneiros informam: respeitar não é idolatrar animais

FREDERICO BUSSINGER

Água, chuvas, enchentes: Lições aprendidas e a aprender