terça, 25 de fevereiro de 2020
CULTURA

Governo garante restauração do Castelinho, em Ponta Porã

07 JUL 2017 - 17h21Por Redação

O conselho gestor do Funles (Fundo de Defesa e Reparação de Interesses Difusos e Lesados) aprovou a destinação de recursos, no valor de R$ 257 mil, para custear a elaboração de projeto executivo de restauração do antigo Castelinho de Ponta Porã, prédio histórico erguido no início do século passado, que, apesar do elevado valor cultural, está em ruínas.

O projeto executivo é o primeiro passo para a execução das obras de restauração do prédio que vão transformá-lo em um museu para guardar a história da fronteira com o Paraguai. O pleito de recursos foi apresentado pelo secretário estadual da Cultura e Cidadania, Athayde Nery.

 “O Conselho entendeu que era salutar, tem mérito dada a importância para o patrimônio histórico do Estado, e aprovou o aporte desses recursos para elaborar o projeto”, disse o secretário Jaime Verruck, da Semagro, que preside o Confunles (Conselho do Funles).

O prédio

O Castelinho foi construído em meados da década de 1920, conforme registros fotográficos, custeado pela companhia Matte Laranjeira, a poderosa empresa que era proprietária de praticamente toda região de fronteira com o Paraguai. Em estilo europeu, seguia a linha dos prédios públicos do Brasil Império e tinha a pretensão de simbolizar o poder com sua arquitetura imponente para a época e o lugar.

Foi a base governamental na fronteira e mais tarde virou sede do Território Federal de Ponta Porã, criado no governo de Getúlio Vargas. Findo o Território Federal, abrigou a cadeia pública e depois a Polícia Militar até ser abandonado, no início dos anos 1990. Foi tombado como Patrimônio Histórico Municipal e Estadual e a partir daí iniciou-se um movimento cobrando sua restauração.

A intenção do governo do Estado é restaurar completamente o prédio, que tem área total de 486,45 metros quadrados (incluindo o pavimento térreo e o mezanino) e construir um anexo de 1.098 metros quadrados para abrigar o museu histórico da fronteira. Athayde Nery está seguro que, com a elaboração do projeto executivo, será mais fácil captar os recursos necessários para custear as obras.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Uma longa viagem começa com um único passo

Lao Tsé, filósofo e escritor chinês

Vídeos

Gente pantaneira 01

Mais Vídeos

Eco Debate

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio