terça, 25 de fevereiro de 2020
PATRIMÔNIO

Corumbá celebra encontro do homem pantaneiro

02 AGO 2017 - 08h00Por Sílvio Andrade

O Centro de Tradição do Homem Pantaneiro (CTHP) realiza neste sábado e domingo o 6º Encontro de Pantaneiros, no Parque de Exposição Belmiro Maciel de Barro, em Corumbá. A prefeitura apoia o evento, que vai homenagear o Mato Grosso do Sul pelos seus 40 anos de criação, garantindo infraestrutura e shows.

“O objetivo é reunir todos os pantaneiros e discutir sobre a vida do pantaneiro, unificar mais, estreitar o contato com eles. Queremos saber por onde andam e o que podemos fazer para ajudá-los e também para ajudarmos a preservar a cultura desses pantaneiros”, afirmou Luiz Carlos Alves de Arruda, presidente do CTHP e coordenador do encontro.

Uma das atividades do evento é a carreata que vai ter início no bairro Nova Corumbá, às 10 horas da manhã do sábado, alusiva ao aniversário do Estado. A finalidade é despertar o sul-mato-grossense para a valorização da sua história.

“Muitas vezes, quando acontece algum fato em Corumbá ou próximo daqui, a gente ainda percebe que ao invés de falarem Mato Grosso do Sul, as pessoas falam Mato Grosso. Queremos valorizar a bandeira do Estado, estamos na terra da fartura e muitas vezes a imprensa ainda não faz a diferenciação entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul”, disse Luiz Carlos.

Respeito à natureza

O homem pantaneiro recebeu muita influência dos indígenas e mantém seu jeito de viver praticamente inalterado nos últimos 200 anos. No século XVIII vieram os bandeirantes de São Paulo a procura do ouro. Depois da Guerra do Paraguai surgiram as grandes fazendas de gado. Com a chegada da estrada de ferro noroeste do Brasil em 1914 novos hábitos e costumes foram incorporados.

A distância e o difícil acesso as fazendas fizeram o homem pantaneiro se acostumar ao isolamento e a solidão, porém manifestam o sentimento de cooperação no trabalho do gado ou nas festividades típicas entre as fazendas. Vivendo a realidade numa região isolada, com enchentes, ataque de animais silvestres, e problemas de transporte, o homem pantaneiro, mantém amor, respeito e apego à sua terra e à natureza.

O CTHP é uma associação criada com o objetivo de defender a cultura do homem e da mulher pantaneiros, a fim de proteger sua culinária, costumes e tradições. O centro está inserido na rota de desenvolvimento da cultura pantaneira, que tem a participação de nove cidades. Outra finalidade da entidade é ser base de referência para os pantaneiros que precisam vir à cidade ou que se mudaram para a zona urbana e precisam de auxílio.

 Shows, causos e truco

A carreata também vai incentivar as pessoas a participarem da Queima do Alho, festividade rural típica que vai acontecer no Parque de Exposição Belmiro Maciel de Barros, logo após a carreata. Haverá macarrão pantaneiro, feito na hora, com arroz carreteiro e feijão gordo.

 No mesmo espaço vai acontecer painel de debates sobre o homem pantaneiro, barracas e comidas típicas e artesanatos, show de viola caipira, concurso de causos, churrasco pantaneiro e torneio de truco espanhol, prática bastante comum em meio aos pantaneiros, além da roda do tererê.

“É um esporte muito desenvolvido nas fazendas dentro do Pantanal. O torneio vai valer uma novilha e a competição será por dupla”, explicou Luiz Carlos. Haverá apresentações artísticas e serão homenageadas profissões tipicamente pantaneiras, como a arte de trançar o couro, que estão sendo extintas com o passar dos anos.

A programação inclui ainda baile no sábado à noite, aberto ao público, com venda de mesas ao preço de R$ 60 e R$ 100. No domingo, será servido churrasco e sarravulho e o convite custará R$ 25,00. As atrações musicais são os grupos “Os Garotos” e “Chama Campeira”, além da dupla Tostão & Guarany. A Oficina de Dança de Corumbá também se apresentará no parque.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Uma longa viagem começa com um único passo

Lao Tsé, filósofo e escritor chinês

Vídeos

Gente pantaneira 01

Mais Vídeos

Eco Debate

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio