Segunda, 25 de Setembro de 2017
RIBEIRINHOS

Reportagem sobre 'mulheres das águas' premia jornalista de MS

13 SET 2017 - 08h52Por Redação

A jornalista sul-mato-grossense Iasmim Amiden ganhou, nesta semana, um prêmio nacional durante o Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom) em Curitiba, Paraná, de melhor reportagem na categoria Jornalismo Digital pelo seu trabalho sobre o cotidiano das mulheres ribeirinhas do Porto da Manga, comunidade loalizada às margens do Rio Paraguai, em Corumbá.

O trabalho foi desenvolvido com o apoio da organização nãogovernamental Ecoa durante as visitas à comunidade e em todo o processo de pesquisa e aprendizado sobre o Pantanal.

A reportagem narra histórias de mulheres coletoras de isca-viva, que têm longas jornadas de trabalho em corixos, baías e rio, sendo este o principal meio de subsistência de suas famílias. São mulheres das águas, que vivem nas margens do rio Paraguai, a 60 km do município de Corumbá.

Vulnerabilidade

De acordo com Iasmim Amiden, “mulheres da manga” é uma narrativa longform para a Web sobre o cotidiano das mulheres ribeirinhas do Porto da Manga, uma comunidade pantaneira, localizada às margens do rio Paraguai, no estado de Mato Grosso do Sul.

“O trabalho tem o objetivo de retratar, pela ótica feminina, as características da região, condições de trabalho e a situação de vulnerabilidade socioambiental em que vive a comunidade ribeirinha. Além disso, destaca as principais atividades de subsistência desempenhadas pelas mulheres, como a coleta de isca viva, que é realizada 100% pelas ribeirinhas, e as atividades de extrativismo e comércio de derivados de frutos do Pantanal”, explica.

O trabalho é resultado do projeto experimental feito para conclusão do curso de Jornalismo na UFMS orientado pela professora Katarini Miguel. Para sua realização a jornalista fez viagens a campo para registros e entrevistas em épocas de seca e cheia do Pantanal.

A narrativa utiliza o gênero narrativo-descritivo e diferentes formatos jornalísticos, como as fotografias, infográficos e os áudios, para retratar a temática.  O trabalho está dividido em quatro capítulos construídos por meio dos depoimentos das personagens.

A jornalista continua trabalhando com as mulheres da Manga a partir de projetos desenvolvidos pela organização não governamental ambiental Ecoa – Ecologia e Ação, na qual é consultora.

“São mulheres incríveis e inspiradoras que merecem todo o reconhecimento, e atuamos de modo a garantir os direitos básicos. É uma luta cotidiana na qual estou me envolvendo e aprendendo, ainda tenho muito a conhecer sobre essas comunidades vulneráveis do Pantanal e sobre as famílias tradicionais que sobrevivem das águas, por isso, direcionei meu caminho no jornalismo para esta questão social”, finaliza.

Comunidades tradicionais

Neste ano, a jornalista também foi premiada durante Congresso Regional em Cuiabá, Mato Grosso, pelo mesmo trabalho, que pode ser acessado em: www.mulheresdamangareportagem.com.br

O reconhecimento está na visibilidade dada a estas mulheres, pantaneiras, que são desconhecidas ainda entre muitos, e ao contexto socioambiental do Pantanal, a maior planície alagável do mundo.

No bioma vivem dezenas de cmunidades tradicionais ribeirinhas, que tem a pesca como forma principal para sobrevivência e vivem a luta diária para reconhecimento e garantia de seus direitos.

O Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação acontece desde 1977 e esta é a primeira vez que o prêmio de jornalismo digital vai para uma jornalista do Estado, graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Leia Também

Square

Relatos de viagem

Três meses viajando de moto pelo Brasil...

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A felicidade não está na estrada que leva a algum lugar. A felicidade é a própria estrada

Bob Dylan

Vídeos

'Coração do Brasil' - Almir Sater e Paulo Simões

Mais Vídeos

Eco Debate

CLÁUDIO ÂNGELO

Por que não dá para celebrar a queda do desmatamento

EDMAR BULL

Fragilidades, riscos e responsabilidades

RICARDO HIDA

O elefante digital no turismo