terça, 23 de abril de 2019
FOTOGRAFIA

“O corpo tremia de emoção no encontro com a onça”

02 OUT 2017 - 15h15Por DIEGO CARDOSO DOS SANTOS

No último dia 22 de setembro, aproximadamente às 18h zarpamos do porto de Corumbá rumo a Serra do Amolar, um lugar único de belezas naturais, onde ficaríamos durante sete dias entranhados no meio do Pantanal Sul-mato-grossense participando de um Workshop de Fotografia de Natureza com o fotógrafo mundialmente conhecido e premiado Araquém Alcântara.

Poder adentrar e vislumbrar as exuberantes paisagens da Serra do Amolar já é incrível, agora, poder fazer isso compartilhando a experiência e o olhar fotográfico de Araquém Alcântara é algo extraordinário.

Navegamos pelas águas do Pantanal discutindo e aprendendo sobre fotografia de natureza com um grupo de 11 pessoas de diversas áreas, como médicos, engenheiros, técnicos de informática e fotógrafos com pouco tempo de estrada com eu, todos com o mesmo objetivo: aprender a “descondicionar o olhar”, perder o ato de capturar imagens comuns demais, fazer o inesperado. Algo que o professor Araquém fez questão de frisar muitas vezes.

A primeira aula teórica do curso na noite do primeiro dia foi completamente tranquila e o aprendizado foi fácil. Araquém buscou passar a nós alunos, a importância da leitura no processo fotográfico, aprender a buscar inspirações em títulos famosos, como a obra do filósofo alemão Eugen Herrigel: “A arte cavalheiresca do Arqueiro Zen”, ou mesmo em obras cinematográficas como “Contos de uma lua vaga”, de Kenji Mizoguichi.

Na primeira manhã, dia 23, visitamos a região do Paraguai Mirim, e a tarde, o Corixo da Penha, grandes áreas alagadas onde foi possível fotografar muitos pássaros. Assim que retornamos para o barco principal fomos recebidos por um belo pôr do sol.

No dia 24,, saímos de barco as 5h da manhã em busca da primeira luz do sol, que refletiria na grandiosa baia da Gaíva, onde observamos a águia pescadora caçando. No período da tarde, fizemos uma trilha de aproximadamente três quilômetros a pé, na Reserva Acurizal, onde encontramos pela primeira vez o macaco Zog Zog, um mamífero endêmico daquela região.

O terceiro dia do Workshop, 25, foi voltado para as lindas paisagens do Corixo do Moquém e Morro do Caracará, onde vimos os paredões de pedra da cordilheira de montanhas que fazem parte da Serra do Amolar.

No final daquela tarde, já de volta ao barco-hotel, comentamos que já havíamos fotografado vários animais, mas que faltava o principal, a grande onça-pintada. Essa ainda estava por vir.

Amanhecemos o dia 26 em meio às águas cristalinas do corixo do Mata-Cachorro, um lugar de uma beleza incomparável, de águas tão limpas que se assemelham as de Bonito/MS.

Uma das fotos mais legais que fiz durante o curso, com a ajuda de um drone, mostra o local de outra perspectiva, um tuiuiú (ave símbolo do Pantanal) olhando para toda aquela paisagem inundada.

Mas, apesar de termos vivenciado e fotografado lugares lindos, a falta do encontro com a onça-pintada ainda nos deixava ansiosos. Entramos nas voadeiras as 15h, neste dia, seguimos para a baia do Chané, seguindo pelo Corixo Vermelho. Navegamos por uns 30min, quando, de repente, um dos piloteiros disse: aqui é o “ninho” onça, tenho certeza que vamos encontra-la aqui!

Exatos cinco minutos ele ter dito isso, alguém grita, uma capivara está nadando, atravessando o corixo. Não era uma capivara! Era a uma onça!.

Durante as nossas andanças encontramos muitas aves, jacarés e ariranhas, mas para mim o ápice da viagem foi o encontro com uma onça-pintada atravessando a nado um dos corixos. Poder fotografá-la de tão perto, apesar de estar com o corpo tremendo de emoção, Um dos animais belos que já fotografei! Valeu por todos os dias do Workshop.

Ao final do penúltimo dia de Workshop e último de saídas fotográficas fizemos uma apresentação das cinco melhores fotos de cada participante, elegendo as três melhores. Foi ali que percebemos o alto nível das imagens captadas durante o curso.

O debate foi incrível e mostrou que podemos e devemos melhorar, evoluir nosso olhar a cada momento se quisermos um dia mostrar ao mundo imagens tão lindas e únicas como o mestre Araquém Alcântara.

Diego Cardoso dos Santos, 26 anos, fotógrafo de natureza radicado em Bonito/MS, foi um dos participantes do Workhsop de Fotografia com Araquém Alcântara, organizado pelo Instituto Homem Pantaneiro (IHP)

www.fotografobonitoms.com

 

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Aqui no Pantanal, a gente apaga as luzes para acender as estrelas

ALEXANDRE COSTA MARQUES, Pousada Baía Grande, Miranda (MS)

Vídeos

Taquari, o desastre anunciado

Mais Vídeos

Eco Debate

LEIDE TAKAHASHI

A natureza é o melhor remédio

CARLOS ARAKAKI

Zagaia Eco Resort faz parte do Turismo Sustentável

ARMANDO LACERDA

Pantanal, Mata Atlântica e Cerrado: compensação e serviços ambientais