quarta, 12 de dezembro de 2018
BOA NOTÍCIA

Atrativos de Bonito operam em perfeita harmonia com a natureza

05 DEZ 2018 - 15h06Por CARLOS ARAKAKI

Não é à toa que pela décima quinta vez, este ano, a cidade de Bonito é eleita como Melhor Destino de Ecoturismo do Brasil. A escolha foi feita por leitores da editora Abril e júri especializado em turismo. Atualmente, 41 dos 46 atrativos turístico da região funcionam em perfeitas condições para receber os turistas do mundo inteiro, independentemente das chuvas típicas deste período do ano que podem causar breve turvamento em alguns rios. E mesmo assim, esses rios voltam a ficar cristalinos. 

Desde 25 de outubro deste ano, está em execução o Projeto de Recuperação das Microbacias de Bonito, liderado pelo engenheiro agrônomo, gestor de desenvolvimento rural da Agraer/Bonito, Paulo Gimenes, que recebeu total apoio de Jaime Elias Verruck, secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar.

Construção de curvas de nível para conter a erosão

Caso isolado

Três máquinas estão trabalhando a todo vapor, em cerca de dez áreas do município e redondezas onde existem propriedades rurais: região do Córrego Seco, região da microbacia Rio Mimoso, região da microbacia Rio da Prata, região da microbacia Rio Anhumas e nas estradas próximas a essas microbacias.

Estão sendo construídas curvas de nível e caixas de retenção de águas pluviais. Um trabalho para impedir que a lama causada pelas chuvas chegue até os rios, como ocorreu em novembro. 

O que foi mostrado nessa segunda-feira, 3 de dezembro, no Jornal Nacional da Rede Globo, foi um caso isolado, no Rio da Prata, no município de Jardim, a 60 quilômetros de Bonito. No dia seguinte da reportagem, o atrativo turístico que apresenta o Rio da Prata para os visitantes já divulgava a água limpa, cristalina, em perfeito estado para mergulho a apreciação turística.

O Projeto de Recuperação das Microbacias de Bonito segue em 2019. Outros trabalhos já estão sendo feitos paralelamente para fortalecer e preservar a natureza exuberante da Serra da Bodoquena, onde fica Bonito, em Mato Grosso do Sul.

Nota conjunta

Para o trade turístico, água barrenta que caiu no Prata foi apenas um caso isolado, que está sendo superado. Foto: Divulgação

Preocupados com os turistas que estão com viagens marcadas para Bonito ou que pretendem conhecer a capital do ecoturismo, todas as entidades ligadas ao turismo e meio ambiente, assim como representantes do setor agropecuário, estão unidos para qualquer esclarecimento, visando a verdade, e lutando para que um dos principais destinos turísticos do Brasil, Bonito, continue encantando pessoas. Sempre colocando em primeiro lugar o meio ambiente, principal fonte da economia da região para a maioria da comunidade local. 

Nota divulgada nesta quarta-feira é assinada pela Associação dos Atrativos Turísticos de Bonito e Região, Bonito Convention & Visitors Bureau, Associação Bonitense de Hotelaria, Associação Bonitense de Agências de Turismo, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – Bonito, Associação Comercial Empresarial de Bonito, Instituto das Águas da Serra da Bodoquena, Famasul e Sindicato Rural de Bonito.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

“O que ocorreu com as águas cristalinas de Bonito é muito grave. A solução para preservar aquele santuário não é passar uma pomada, é cirúrgico. Ali não é lugar para plantar soja”

Carlos Marun, ministro da secretaria de Governo da Presidência da República

Vídeos

Rally dos Sertões:largada inédita

Mais Vídeos

Eco Debate

CIRO ANTONIO ROSOLEM

O mito da água gasta pelo agronegócio

PAULO STUCCHI

Voluntários, escravos e pobres: os rostos anônimos da Guerra do Paraguai

JAIME VERRUCK

Meio Ambiente: transversalidade, governança e protagonismo