segunda, 30 de março de 2020
ROTEIRO

Turismo religioso amplia economia dos destinos

28 SET 2017 - 22h27Por Sílvio Andrade/Redação

Aconteceu de 22 a 24 este mês a 4ª Romaria Nacional dos Profissionais de Turismo à Aparecida (SP). O encontro anual dos profissionais que atuam no segmento do turismo religioso faz parte das homenagens ao Dia Mundial do Turismo, comemorado no próximo dia 27.

O evento ainda coincide com os festejos dos 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, encontrada por pescadores, no rio Paraíba do Sul, em 12 de outubro de 1717.

Aparecida deverá encerrar o ano do tricentenário com 12 milhões de visitantes. A cidade e suas vizinhas são exemplos de municípios que vivem da fé que movimenta a economia local. Os serviços turísticos da região de Aparecida são voltados principalmente para o atendimento aos visitantes atraídos pelo maior santuário mariano do mundo, entre outros atrativos do Vale do Paraíba.

O roteiro se estende por Cachoeira Paulista, onde um movimento de evangelização denominado Canção Nova, com forte atuação nas mídias sociais, atrai 1,2 milhão de visitantes por ano. Em Guaratinguetá, outros 600 mil turistas visitam o Santuário de Frei Galvão, anualmente.

Banho de São João

No encontro de Aparecida, funcionários públicos e de empresas privadas, guias de turismo, agentes de viagem e administradores de santuários compartilharam experiências inclusive com profissionais e gestores que seguem diferentes denominações cristãs e outras matrizes religiosas.

O turismo sustentável, recomendado pela Organização Mundial do Turismo, é uma das vertentes abraçadas pelos profissionais do turismo religioso, tanto que Salvador, Belém e Aparecida estão entre as arquidioceses que já estruturaram a pastoral do turismo para acolher bem os visitantes.

A profissionalização da atividade turística no segmento religioso é outra preocupação dos organizadores do evento com foco nos casos de sucesso para incentivar os iniciantes na atividade, além de apresentar soluções e inovações para o setor.

Alguns órgãos governamentais já reconhecem o impacto da fé nas cidades. Exemplo de Corumbá, a histórica cidade pantaneira de Mato Grosso do Sul, onde se celebra uma das maiores manifestações juninas do País, o Banho de São João.

Aparecida, em São Paulo: celebração dos 300 anos da aparição da santa atrai milhares de romeiros. Foto Divulgação

Este ano, o Ministério do Turismo elegeu Corumbá como um dos principais destinos do turismo religioso, principalmente pela singularidade da fé e crença dos romeiros na descida dos andores para banhar o santo nas águas do Rio Paraguai.

Milhares de turistas visitam a Capital do Pantanal e participam das celebrações, que começam nas casas de rezas e descem a Ladeira Cunha e Cruz, em direção ao rio. A fé passa de pai para filho, em cumprimento a uma benção alcançada e passa por várias gerações.

Encontro nacional

Juazeiro do Norte (CE) juntou com a pasta do turismo a estrutura oficial para cuidar das várias romarias que levam, anualmente, mais de 2 milhões de visitantes a cidade da região do Cariri.

Apesar do nome – Expotour Católica -, católicos e não cristãos vão explorar casos de sucesso do turismo religioso num encontro nacional entre os dias 19 e 21 de outubro, em Mossoró (RN).

A feira, que será realizada pela terceira vez, ajuda a divulgar os destinos de um mercado considerado promissor. O turismo religioso é um nicho pouco explorado pelos profissionais do turismo.

Segundo o coordenador da exposição, Manoel Sidnésio, entre os destinos que já marcaram presença nas duas edições anteriores, 15 deles, considerados os maiores ligados a fé cristã, recebem público anual estimado em 35 milhões de visitantes.

“O Brasil conta com mais de 300 destinos religiosos e calendário de eventos com potencial turístico para ser explorado”, destaca.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

A natureza não negocia e a física não faz acordos

Greta Thunberg, ao Parlamento Europeu

Vídeos

Pesque, solte e volte sempre!

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Tordinhos do entardecer

XICO GRAZIANO

Ecologistas precisam evoluir sobre turismo natural

FRANCISCO OLIVEIRA

Trabalho informal nos lixões: um risco à vida dos catadores