sábado, 18 de janeiro de 2020
CÁCERES

Rio Paraguai teve a terceira maior seca dos últimos 43 anos

05 OUT 2019 - 06h57Por Expressão Notícias

Um longo período de estiagem castiga o Rio Paraguai, que banha o pantanal mato-grossense, em Cáceres, Mato Grosso.  No último dia 23 de setembro, o rio atingiu apenas 81 centímetros de profundidade, em frente à agência fluvial da Marinha, local onde está instalada a régua de medição. A baixa profundidade possibilita que os banhistas atravessem o rio a pé. É a segunda maior seca dos últimos 43 anos.

Neste ponto, o rio atingiu o nível mais baixo dos últimos 43 anos, no mês de setembro de 1976, quando, de acordo do mapa hidrológico, a profundidade registrada pela Marinha foi de 73 centímetros. A segunda maior seca foi em 20 de setembro de 2012, com o nível de 80 centímetros de profundidade.

Cautela

A situação é semelhante no Rio Cuiabá. No dia 21 de setembro, o rio apresentou o menor nível dos últimos 19 anos. Medição realizada pela Agência Nacional de Águas (ANA) apontou que são apenas 18 centímetros de água, quando o mínimo esperado para o tempo de seca é de 50 centímetros. O índice hidrológico chegou a 83% menor que o registrado no dia 11 de maio deste ano, último dia em que choveu em Cuiabá.

O baixo nível de água é resultado de falta de chuva na região. Há mais de 70 dias não chove na região. Um chuvisco, na área central da cidade, aconteceu no mês de agosto, mas foi insuficiente para aumentar o nível do rio. No mesmo período do ano passado a altura do Rio Paraguai era de 93 centímetros, oito a mais do que neste ano.

O comando da Marinha do Brasil, em Cáceres, recomenda muita cautela aos navegantes. “É necessário que os condutores das embarcações naveguem com muita cautela. Nesse período, são muitos os bancos de areia, ao longo do rio, que podem causar acidentes a quem não tem maior conhecimento da área” afirmou um agente, acrescentando que “se a pessoa não tiver conhecimento do rio o melhor que faça é contratar quem conhece”.

Dragagem

A preocupação com a segurança da navegação leva a Administração da Hidrovia do Paraguai (AHIPAR) a realizar dragagens em vários pontos do rio. O trabalho começou no início de setembro, nas proximidades do Barranco Vermelho. Serão dragados, principalmente, o canal e os trechos sinuosos, do rio visando a melhoria das condições de tráfego e a segurança das embarcações.

São cerca de 20 pontos críticos, conforme levantamento topobatimétrico. A atividade é desenvolvida pelo órgão do Ministério dos Transportes desde a década de 70, compreendendo pequenos trechos com maior concentração de sedimentos, entre a Passagem Velha (km 2.166) e Bracinho (km 2.042)

Apesar do baixo nível de água, estudos técnicos mostram que de Cáceres até a Lagoa Gaíva, próximo à divisa de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o trecho estreito e sinuoso do rio é o mais crítico. E, as dificuldades de navegação não são de agora.

Comandantes de grandes embarcações, como os barcos-hotéis de turismo, apontam que as restrições aumentam a cada ano. E que é preciso experiência para navegar em um canal raso, que muda constantemente.

Leia Também

Relatos de viagem

Enfim, no marco zero da Ruta 40. Missão cumprida, uma façanha!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Se você acha a aventura perigosa, tente a rotina, é mortal

Paulo Coelho, jornalista, escritor

Vídeos

Jornada das Tartarugas

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio

MARCIA HORITA

Atentos e mobilizados na defesa da Mata Atlântica