terça, 21 de janeiro de 2020
EM BONITO

Projeto Jiboia entre os melhores lugares para levar adolescente

20 NOV 2017 - 09h39Por Sílvio Andrade/Redação

Que tal passar o tempo com seu filho adolescente?

 Atividades em família podem ser boas oportunidades de se aproximar e ajudar em sua bagagem cultural. De acordo com Ana Zattar, coordenadora de Educação Física do Colégio Bom Jesus, uma das mais tradicionais instituições de ensino do país, companhar a agenda cultural e esportiva local deveria fazer parte da rotina das famílias.

“É obrigação de cada um de nós conhecermos aquilo que existe na cidade em que vivemos, e quando vamos viajar para algum lugar é o mínimo que deveríamos conhecer. Embrenhar-se na cultura local e unir conhecimento, curiosidade, alegria, diversão, resulta em tempo de qualidade, em laços, em amor, em conhecimentos que se tornam sabedoria e memória. Curtir momentos assim com os filhos observando outras culturas, como os outros vivem, é cultivar empatia” conta Ana.

Um dos sete roteiros selecionados pela educadora para pais e filhos fazerem juntos é o Projeto Jiboia, de Bonito, onde você pode vivenciar uma experiência única de educação ambiental. O projeto existe desde 2005 e tem, segundo seu idealizador, Henrique Naufal, o objetivo de desmistificar as serpentes não peçonhentas e seu comportamento - frequentemente relacionado à maldade e ao perigo.

Naufal é considerado o “Rei da Jiboia” e se aventurou pelo mundo – morou nos Estados Unidos, Alemanha e Austrália – e trabalhou de interprete e taxista antes de se encantar com a jiboia, cuja primeira “cria” comprou de um índio amazônico. Hoje tem um criatório legalizado, já se apresentou no Programa do Faustão e hoje faz o maior sucesso em Bonito.

“Algo que nos assustava

passa a nos encantar”

(Henrique Naufal, nascido em Taubaté-SP)

Henrique em seu auditório: projeto atrai um grande número de turistas e quem o visita sai mais informado sobre as serpentes

Acabar com os mitos

No inusitado projeto, a ideia é que o visitante conheça melhor os hábitos alimentares e, principalmente, de relacionamento destes animais para ter uma nova percepção e quebrar possíveis paradigmas. Assistindo as apresentações diárias com Naufal o visitante terá uma divertida e educativa curiosa aula sobre a jiboia e o universo das serpentes.

Um dos exemplos dados na palestra é sobre a importância das serpentes no meio ambiente, pois servem como fonte de proteína para aves e mamíferos carnívoros e são predadoras de roedores. O público assiste a essa palestra, a um vídeo e depois pode ter contato bem de pertinho com a serpente, além de fazer aquela foto para ficar de recordação.

Henrique Naufal construiu um serpentário no centro de Bonito, que atualmente conta com 12 jiboias e 1 píton, esta última da Birmânia, e todas são extremamente dóceis e habituadas com a presença humana e o contato físico. Além disso, todas também possuem micro chip de identificação, certificado de origem e nota fiscal de acordo com a legislação ambiental vigente.

Conhecer para preservar, diz o empresário. Foto Sílvio Andrade

“Selfie” com a jiboia

O projeto funciona todos os dias da semana, das 19h às 21h, podendo atender em horários diferentes se agendado com antecedência. A apresentação tem a duração de 1h e 30m. O local foi ampliado e tem capacidade para receber 40 pessoas ao mesmo tempo - para palestra e visitação.

Os visitantes são recebidos pessoalmente pelo empresário, na sede do projeto e, junto aos terrários, recebem uma palestra sobre as serpentes e depois assistem a um breve vídeo sobre a vida reprodutiva destes animais. Após a conversa e várias perguntas todos são convidados a ter o contato direto com as cobras e os mais corajosos chegam a colocá-las nos ombros - tudo entre muita diversão e risos. É a oportunidade de fazer diversas “selfies” com a jiboia.

O mais importante, segundo Henrique, é evidenciar para as pessoas a fragilidade das serpentes e, ao mesmo tempo, buscar a preservação das espécies, evitando a sua matança indiscriminada. Uma experiência diferente no que se refere ao respeito ao meio ambiente.

As pessoas perdem o medo e fazem "selfie" com a jiboia: quem vai a Bonito não pode deixar de visitar o serpentário. Foto Divulgação

Visita de escolas
O passeio atende a um público variado sempre com o mesmo fascínio e curiosidade, sendo inclusive importante salientar que a comunidade bonitense é recebida gratuitamente. Segundo o empresário, através da visitação de escolas pode-se mostrar aos alunos a importância das serpentes no meio ambiente como fonte de proteína para aves e mamíferos carnívoros, além de sua importância como predadoras no controle de populações de roedores.

No Brasil existem duas subespécies de jiboia: a Boa constrictor constrictor (Forcart, 1960) e a Boa constrictor amarali (Stull, 1932). A primeira é amarelada, de hábitos mais pacíficos e própria da região amazônica e do nordeste. A segunda, Jiboia amarali, pode ser encontrada mais ao sul e sudeste e também regiões mais centrais do país.

Outros roteiros

Esse tempo com os filhos, que deve ser sempre de boa qualidade, pode ser aproveitado da melhor forma possível, inclusive para estimular o aprendizado em todas as áreas, mesmo sem ser esse o objetivo. Isso não significa pegar o caderno de conteúdos escolares para montar o programa da família, mas aproveitar as oportunidades que aparecerem para estimular o adolescente a gostar do que está aprendendo, seja pela curiosidade, pela significação, pela importância, pela relevância, pelo divertimento e, principalmente, pela valorização que sente de estar em família. 

“Acredito que esses passeios ficarão para sempre gravados na memória e darão valor inestimável a um tempo que não volta jamais”, afirma Ana Zattar, que selecionou sete passeios para pais e filhos fazerem juntos. “Selecionei alguns que já fiz com meu pai, no papel de filha, e outros com minha filha, no papel de mãe”.

Projeto também conta com um estudio fotográfico. Foto Divulgação

Confira outras dicas:

2. Cânion do Xingó: saindo da capital do Estado de Sergipe, Aracaju, são mais de três horas pelo sertão até chegar à cidade de Canindé de São Francisco para pegar um catamarã, que percorre as águas do Velho Chico. É um passeio bem diferente daquilo a que estamos acostumados quando pensamos em viagens ao Nordeste. Em um cenário onde palavras como caatinga, cacto, jegue e seca ficam mais familiares e sentidas de forma concreta, é possível contemplar uma paisagem em tons de verde, marrom e cinza. No percurso do rio, entretanto, o cânion revela uma natureza exuberante. O auge desse passeio é o banho nas piscinas naturais.

3. Parque Estadual do Guartelá: situado no município de Tibagi (PR), compreende o 6.° maior cânion do mundo em extensão. São muitas as atrações em família, como, por exemplo, o rafting e o camping. São sugestões de atividades desafiadoras, que agregam, que mudam o nosso senso de padrão e ajudam a superar quaisquer dificuldades. Além disso, toda essa experimentação de novidades fortalece os laços e forma as memórias. E nada melhor do que fortalecer laços e formar memórias entre pais e filhos!

4. Museu Imperial de Petrópolis (RJ): um encontro do passado com o presente e a oportunidade de revivê-lo. Destaca a singular experiência de entrar no quarto da Princesa Isabel. Outras oportunidades imperdíveis nesse passeio são o Espetáculo de Som e Luz e o Sarau Imperial, que são permanentes.

Museu Imperial de Petrópolis: popularmente conhecido como Palácio Imperial,  era a residência de veraneio da família real brasileira. Foto Divulgação

5. Museu do Holocausto, em Curitiba (PR): essa visita é possível apenas com agendamento. Ainda pouco conhecido na cidade, esse museu traz o tema do holocausto de forma não deprimente, ressaltando a vida, destacando a luta contra a intolerância, o ódio, a discriminação, o racismo e o bullying. Uma frase de destaque exposta nesse museu é: “Apesar de tudo, acredito na bondade humana”. (Anne Frank).

6. Parcão, Café e “Museu do Olho”, em Curitiba (PR): o complexo do MON traz nos finais de semana, principalmente, um leque de opções multiculturais. Além das exposições no tradicional cartão-postal da capital paranaense, o seu quintal se transforma em um ponto de encontro para os apaixonados por cães. Famílias trazem seus pets para uma confraternização canina, onde sempre são flagradas cenas bem engraçadas. Ao lado também há um café para quem curte uma opção mais tradicional.

7. Passeio de trem: os passeios de trem no Brasil são tradicionais e fazem o maior sucesso como opção de lazer, pois, diferentemente de outros países, trens aqui não são meio de transporte. Alguns são peculiares, como Curitiba-Morretes/Antonina, onde existem as opções de fazer a trilha do Marumbi (no caso dos mais aventureiros) ou degustar a culinária local do barreado (para aqueles que ainda não se arriscam). Outra rota de sucesso é a de São João Del Rey a Tiradentes, em Minas Gerais, que percorre a antiga Estrada Real.

Conheça mais sobre o Projeto Jiboia: www.projetojiboia.com.br

 

Leia Também

Relatos de viagem

Enfim, no marco zero da Ruta 40. Missão cumprida, uma façanha!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Se você acha a aventura perigosa, tente a rotina, é mortal

Paulo Coelho, jornalista, escritor

Vídeos

Jornada das Tartarugas

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio

MARCIA HORITA

Atentos e mobilizados na defesa da Mata Atlântica