quarta, 16 de outubro de 2019
BONITO

Vidros são ressignificados pelas mãos de artesãos

28 SET 2019 - 16h58Por ZAQUEU RODRIGUES

Quando anoitece em Bonito (MS), a praça da Liberdade, no centro da cidade, se transforma num espetáculo à céu aberto. Moradores e turistas apreciam, no embalo das conversas, a iluminação verde que cobre todas as árvores. Vistas de perto, eis a surpresa: as luminárias são feitas de garrafas de vidro reutilizadas.

Por trás da ideia de ressignificar o vidro que iria para o ‘lixo’ está o arquiteto Carlos Cardinal, que transformou as garrafas de cerveja de seu bar em copos para serem reutilizados. A iniciativa ganhou corpo e, em 2015, ele fundou a Casa do Vidro, a primeira fábrica de reutilização de vidro da América Latina.

Encantada com a iniciativa, a empreendedora Gina Tolfo Felix assumiu a Casa do Vidro há dois anos disposta a transformá-la numa referência em sustentabilidade na cidade. “É um trabalho precioso que envolve educação ambiental e sustentabilidade. Não desperdiçamos nenhum material; pelo contrário”, diz.

O processo de trabalho da Casa do Vidro é artesanal e conta com a colaboração dos moradores de Bonito, que doam toda a matéria-prima. “Pela manhã, a gente seleciona os vidros que os moradores deixam em frente à Casa. O que não nos serve, que é muito pouco, é recolhido pela prefeitura para ser reciclado”, afirma Gina.

Após serem recolhidos, os materiais seguem para o atelier de fabricação, instalado numa sala ao fundo da Casa do Vidro. É nesse local que as garrafas, copos e outros materiais de vidro são transformados em arte e objetos utilitários pelas mãos habilidosas dos artesões Daniele Rocha, Rafael Câmara e Neiva Prieto.

No atelier, o primeiro passo é cortar as garrafas com uma fita de cobre aquecida numa pequena máquina manual. Em seguida, o vidro é lixado três vezes, lavado e personalizado com adesivos para receber o jateamento com areia sílica, que dará o retoque final. Dali, as peças saem prontas para serem comercializadas.

A peça considerada o carro-chefe da Casa do Vidro é a luminária. São dezenas delas produzidas em diferentes formatos e tamanhos com os mais diversos tipos de vidros. Entre as criações mais complexas está a luminária feita com estilhaços de para-brisa de automóvel, colados um a um.

Na Casa do Vidro, taças quebradas são transformadas em pimenteiras e frascos para mel; as partes superiores das garrafas de cerveja viram castiçais; outras se tornam copos e luminárias; frascos de perfume saem dali como difusores aromáticos… “Estamos sempre criando peças novas”, conta a proprietária.

Na garagem da Casa do Vidro é possível conhecer todos os objetos decorativos e utilitários que são produzidos ali. Parte das paredes da residência são de garrafas, o que proporciona aproveitar a luz natural. “A gente também produz tijolos de vidro”, diz Gina. Nos bares, restaurantes e hotéis da cidade, as luminárias da Casa do Vidro são presença constante.

Hoje, 80% dos vidros da cidade são reaproveitados pela Casa do Vidro.

Nesses poucos anos de vida, a Casa do Vidro já se tornou uma referência na cidade e um ponto de parada para os turistas. “Todos ficam encantados, pois é um trabalho feito com muito amor e propósito. Eu quero que a Casa do Vidro inspire outras cidades do país a dar um destino nobre para o vidro”, conclui Gina.

* Publicado no Diário do Turismo

www.diariodoturismo.com.br

Leia Também

Relatos de viagem

Como pescar mudou a minha vida

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O homem não tramou o tecido da vida; ele é apenas um dos seus fios

Cacique Seattle, 1884

Vídeos

Vídeo premiado em 3º lugar no II Cine Aves Campo Grande MS

Mais Vídeos

Eco Debate

JOÃO PAULO CAPOBIANCO

Muito prazer, meu nome é PPCDAm

HEITOR RODRIGUES FREIRE

A simbologia da rã

MANOEL LINHARES

A importância da legalização dos Jogos no Brasil