sábado, 25 de janeiro de 2020
EM FAMÍLIA

Corumbá aposta nos cruzeiros fluviais na Piracema

03 DEZ 2018 - 07h00Por SÍLVIO ANDRADE

Sem um plano de turismo que contemple outros atrativos em uma região tão rica em biodiversidade, Corumbá sofre uma estagnação em sua economia por conta da proibição da temporada da pesca esportiva, de novembro a fevereiro. A cidade não oferecia, até a iniciativa de operadoras locais, um roteiro alternativo para o turista na baixa temporada, com reflexos em toda a cadeia, desde o borracheiro, ao taxista, rede hoteleira, restaurantes, etc.

Nesse período de fim de ano e durante as férias escolares, um programa em família pode ser realizado no Pantanal: é o cruzeiro fluvial, de quatro a cinco dias, que inclui passeio pelo Rio Paraguai, flutuação nos banhados e contemplação da natureza na Estrada-Parque. Dois barcos-hotéis de luxo estão operando no período, desde o ano passado, atraindo cada vez mais grupos de várias regiões do País. O ecoturismo está chegando à Capital do Pantanal!

No passado, os cruzeiros fluviais não tiveram sucesso na região, devido ao custo da viagem, roteiros não atrativos e marketing malfeito. E também uma dose de desinteresse dos empresários, que preferiam manter as embarcações (de pesca) nos estaleiros para manutenção do que se aventurar em um turismo que só não dava certo em Corumbá. Hoje, a pesca ainda é o carro-chefe, mas essa tendência está mudando – e para melhor.

Um novo turismo

Conhecer Corumbá já é uma viagem superinteressante, pela sua riqueza história. A cidade tem pelo menos 15 pontos turísticos urbanos, entre equipamentos religiosos e patrimoniais, como o Forte Junqueira, que fica na beira do Paraguai. O passeio fluvial nas águas calmas desse rio é um deleite, natureza se apresentando, revoada de pássaros e a oportunidade de ver uma onça-pintada, hoje comum na Estrada-Parque, onde o safari é feito em carro aberto.

Peralta Cruise era um barco adaptado para pesca, foi reformado e oferece comodidade e conforto ao turista. Foto: Divulgação

A empresária Joice Santana, 46, colocou pela primeira vez, em 2015, uma de suas embarcações nas águas em plena piracema, captando clientes não-pescadores para uma viagem pelos encantos do Pantanal. Ela realizou sete viagens em 2017 e nesse ano fechou 14 até agora. “A cidade precisa abraçar esse novo turismo, é nossa vocação como cidade natureza”, diz ela. “As pessoas que fazem esse passeio se apaixonam pelo lugar.”

Defensora da pesca esportiva com cota zero, Joice aposta no cruzeiro fluvial para a baixa temporada –período em que nos demais destinos turísticos no Brasil e no mundo é de alta. Ela organizou um roteiro que inclui uma visita ao centro histórico da cidade e à Bolívia, passeios de bote pelo Rio Paraguai e safari ecológico e cavalgada na Estrada-Parque, unidade de conservação localizada no Pantanal da Nhecolândia com ótima estrutura de serviços.

Réveillon no Amolar

A viagem é feita no Kayama, embarcação de luxo com três pavimentos, 25 cabines panorâmicas para 50 pessoas, ar-condicionado, sala de cinema, piscinas, elevador e auditório.  O pacote, com apartamento duplo e tudo incluso, custa R$ 2.990,00, com desconto de 30% para o turista do Estado. “É uma viagem por água e terra, um turismo que está crescendo porque temos o que mostrar, desde a gastronomia à fauna exuberante”, diz a empresária.

Outra rota que está atraindo os amantes da natureza é a Serra do Amolar, ao Norte de Corumbá, uma morraria cercada por água, ambientes intocáveis e uma concentração de reservas que somam mais de 300 mil hectares, incluindo o Parque Nacional do Pantanal. Essa viagem de quatro dias é organizada pela operadora Peralta Cruise utilizando uma antiga embarcação de pesca esportiva totalmente reformada, com 10 cabines para 20 pessoas.

O cruzeiro fluvial inclui um dia na Estrada-Parque, com direito a observação de onça-pintada. Foto: Divulgação

De 28 de dezembro a 2 de janeiro, o Peralta Cruise leva um seleto grupo ao Amolar para um fim de ano inesquecível, com direito a uma celebração especial no réveillon. O cruzeiro percorre uma das regiões mais fantásticas do bioma e chega ao Porto Índio, distante 350 km de rio de Corumbá, um destacamento militar situado na fronteira com a Bolívia. Ao lado, fica a reserva dos índios guató, os “canoeiros do Pantanal”. O pacote inclui jantares temáticos, passeios de caiaque e cavalo, visita a uma fazenda da região, trilhas e safari fotográfico.

O Amolar é uma das regiões de maior biodiversidade do Pantanal, segundo o Ministério do Meio Ambiente, e há alguns anos deixou de ser apenas um dos locais preferidos de pescadores amadores. O Instituto Homem Pantaneiro (IHP) transformou as unidades de conservação Acurizal, na divisa com Mato Grosso, e Eliezer Batista – ambas com pistas de pouso para pequenas aeronaves – em pousadas. Trilhas e morrarias são os atrativos desse lugar selvagem.

 

Serviços

www.joicetur.com.br

www.peraltacruise.com

Leia Também

Relatos de viagem

Enfim, no marco zero da Ruta 40. Missão cumprida, uma façanha!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O grande inimigo do meio ambiente é a pobreza

Paulo Guedes, ministro da Economia

Vídeos

Jornada das Tartarugas

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio

MARCIA HORITA

Atentos e mobilizados na defesa da Mata Atlântica