terça, 23 de abril de 2019
FRONTEIRA

Conselho de turismo cobra mais agilidade do setor migratório

08 FEV 2019 - 08h56Por REDAÇÃO

O Conselho Estadual de Turismo de Mato Grosso do Sul (CET-MS) realizou a primeira reunião de 2019, predominando discussões sobre a preservação dos rios na região turística Bonito-Serra da Bodoquena, melhorias na infraestrutura para entrada de turistas pela fronteira e cota zero para pesca nos rios do Estado.

As dificuldades enfrentadas pelos turistas na entrada ao país, pela fronteira com a Bolívia, foi um dos principais temas da reunião, da qual participaram o superintendente da Polícia Federal, Cleo Mazzotti, e o delegado da Polícia Federal de Corumbá, Guilherme Cabral. Eles se colocaram à disposição para identificar as necessidades de melhorias das infraestruturas básicas, de acesso e de apoio no Posto Esdras, que possui estrutura limitada.

Segundo o trade turístico, a longa espera dos turistas que querem entrar no Mato Grosso do Sul, via fronteira, é recorrente por falta de funcionários no setor de migração para atender a crescente demanda, o que não ocorre do lado boliviano. O posto de atendimento opera, na maioria das vezes, com apenas dois funcionários, ocasionando longas filas e espera sob sol escaldante.

Mais agilidade

O diretor-presidente da Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul, Bruno Wendling, ressaltou a importância da participação da PF na reunião. “O apoio de uma instituição tão relevante como a PF só nos mostra que a força do CET/MS em um ano de atuação. Firmamos uma parceria, colocando-nos à disposição para auxiliar na questão de abordagem e identificação de quem são os turistas, no levantamento de dados e nivelamento de informação com os agentes e pedimos apoio nos processos de atendimento aos turistas”, observou.

Uma das sugestões, segundo Wendling, é que a PF tenha uma relação prévia de turistas enviada pelos principais operadores bolivianos que mandam turistas para o MS, para que haja mais rapidez no atendimento. Segundo a PF, existe uma proposta em andamento para ampliação do posto Esdras que vai dobrar a capacidade de atendimento aos turistas.

Primeira reunião do CET/MS mostrou engajamento dos setores envolvidos por um turismo mais profissional

Pesca sustentável

O secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, falou a respeito das ações realizadas pelo Governo do Estado em prol da qualidade das águas dos rios da Serra da Bodoquena, o que foi feito e o que está planejado. Segundo ele, o governo está preocupado com o turvamento dos rios e exigindo de todos os produtores rurais que façam curvas de nível e fiscalizando desmatamentos irregulares.

Sobre a cota zero para a pesca amadora, anunciada pelo Governo do Estado, Verruck informou que técnicos da Semagro trabalham no formato da nova legislação e que todos os envolvidos no sistema da pesca serão ouvidos. Garantiu que as novas regras não irão afetar as modalidades de pesca profissional, científica e de subsistência. As entidades presentes na reunião do CET se manifestaram favoráveis à implantação de nova política de pesca sustentável no Estado.

Plano estratégico

Estiveram presentes na reunião representantes da ABAV, ABIH, ABRASEL, Campo Grande Desination, Bonito Convention Visitors Bureau, Fundtur, Instâncias de Governança da região Caminho dos Ipês, Rota Pantanal-Bonito, Imasul, Sebrae, Semagro, UEMS e UFMS. As próximas datas estabelecidas no calendário de reuniões ordinárias são: 25 de março, 27 de maio, 29 de julho, 30 de setembro e 25 de novembro. A principal pauta da próxima reunião será a elaboração do planejamento estratégico 2019/2023 para o turismo estadual.

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Aqui no Pantanal, a gente apaga as luzes para acender as estrelas

ALEXANDRE COSTA MARQUES, Pousada Baía Grande, Miranda (MS)

Vídeos

Taquari, o desastre anunciado

Mais Vídeos

Eco Debate

LEIDE TAKAHASHI

A natureza é o melhor remédio

CARLOS ARAKAKI

Zagaia Eco Resort faz parte do Turismo Sustentável

ARMANDO LACERDA

Pantanal, Mata Atlântica e Cerrado: compensação e serviços ambientais