sábado, 25 de janeiro de 2020
ALERTA!

Água do sertão de Guimarães Rosa pode acabar em 20 anos

12 JUL 2017 - 22h11Por Redação

A conservação do Cerrado e de suas populações tradicionais está ameaçada pelos intensos desmatamentos, incêndios e uso inadequado de água para irrigação no Mosaico Sertão Veredas Peruaçu, uma área significativa de aproximadamente 1,8 milhão de hectares situada no norte/noroeste de Minas Gerais e sudoeste da Bahia.

É o que aponta o mapeamento do uso do solo produzido pelo WWF-Brasil já em sua terceira versão. Segundo o estudo, a região do Mosaico está ocupada com 37% de atividade agropecuária. Outro dado que preocupa é o fato do território apresentar altos índices de desmatamento e queimadas nos últimos anos, por exemplo, no período de 2009-2016 foram desmatados 30.043 hectares, uma área que equivale quase ao tamanho da cidade de Belo Horizonte.

Entre as unidades de conservação mais afetadas no Mosaico, a Área de Proteção Ambiental (APA) Pandeiros, que é a maior na categoria de uso sustentável do estado de Minas Gerais, está no topo, com 5.116 hectares desmatados.

Para Cássio Bernardino, analista de conservação do WWF-Brasil e coordenador do mapeamento, os estudos permitem identificar áreas onde os desmatamentos e as queimadas são mais frequentes, possibilitando o desenvolvimento de estratégias de prevenção e fiscalização. “

Entre 2010-2016 foram desmatados 30 mil hectares no Moisaco

A iniciativa também permite acompanhar a mudança de uso do solo na região, e destaca o papel das unidades de conservação de proteção integral para a proteção contra o desmatamento e incêndios”, afirmou. 

Esses dados servem como forte alerta para que as autoridades e a sociedade civil tomem medidas que busquem conter esses fatores de degradação e perda da biodiversidade desse que é o bioma considerado como a “Caixa d’água do Brasil”, já que as nascentes presentes no bioma são responsáveis por alimentar 6 das 9 principais bacias hidrográficas do país.

Sertão Veredas Peruaçu 

A apresentação do mapeamento aconteceu durante o seminário realizado nos dias 28 e 29 de Junho na cidade de Januária-MG, com a presença de autoridades municipais, órgãos ambientais, membros dos conselhos das áreas protegidas, gestores das unidades de conservação, lideranças indígenas e de comunidades tradicionais, ongs ambientais, Ministério Público e universidades.

Outra constatação, que gerou comoção nos participantes, foi sobre o risco de as veredas e rios da região secarem no período de 20 anos. A informação foi levantada pelo pesquisador Walter Viana, em sua tese de doutorado em recursos hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que concluiu que o consumo de água está maior que a oferta, sendo a implantação de postos tubulares os principais responsáveis por este quadro.

Segundo ele, “além do alto consumo, estes postos estão interceptando as nascentes, o que compromete a disponibilidade hídrica de rios importantes, como, por exemplo, o Peruaçu que tem hoje sua vazão reduzida em 10% em relação aos anos 80”. Por fim, “se medidas urgentes não forem adotadas por parte das autoridades, a região sofrerá de um enorme problema socioambiental”, afirmou Viana. (WWF)

Leia Também

Relatos de viagem

Enfim, no marco zero da Ruta 40. Missão cumprida, uma façanha!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O grande inimigo do meio ambiente é a pobreza

Paulo Guedes, ministro da Economia

Vídeos

Jornada das Tartarugas

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs

HEITOR FREIRE

O Poder do Silêncio

MARCIA HORITA

Atentos e mobilizados na defesa da Mata Atlântica