segunda, 16 de setembro de 2019

Significado do Solstício

23 JUN 2019 - 12h09Por HEITOR RODRIGUES FREIRE

Os domínios do mistério prometem as mais belas experiências – Einstein.

Tudo o que existe foi criado por Deus. O céu, a terra, os mares, as árvores, os animais, os peixes, as aves e nós, seres humanos. Olhando a majestosa natureza, somos naturalmente induzidos a buscar compreender o significado de cada coisa.

Sim, porque todo o universo foi criado com uma finalidade. Por quê? Seria essa a pergunta? O porquê sugere um questionamento. Não seria melhor perguntar: Para que? O para que induz a uma busca de entendimento.

Assim temos os climas, as estações, as chuvas, os planetas, as estrelas, os solstícios, equinócios, etc. cada coisa com sua finalidade, com sua individualidade e todos num conjunto harmonioso. 

Quando começamos a busca para entender, aparece o mistério que envolve cada coisa. E aí surge a curiosidade e o despertar da consciência do que somos e para que estamos aqui.

Cada um de nós foi criado por Deus. Ele pensou em cada um, nos criou e deu um nome, dotando-nos com todos os predicados e atributos para trabalharmos como obreiros em Sua seara. Daí para a frente é com cada um.

“A partir do momento em que há uma consciência que existe, e uma consciência que tem consciência de não ser sua própria fonte de existência, é preciso procurar essa fonte”. (Louis Pauwels)

E essa fonte é Deus. Que não está no mais longínquo dos céus, mas perto, muito perto, dentro de cada um. Entender e aceitar essa verdade dá ao homem a dimensão da sua existência e da sua ligação eterna e indissolúvel com seu Criador.

Dentre esses mistérios todos, temos o fenômeno dos solstícios. O solstício acontece graças a dois movimentos que ocorrem no planeta Terra: rotação e translação. A existência deles faz com que a luz do sol seja distribuída de forma desigual entre os dois hemisférios.

Os solstícios estão relacionados com o esoterismo e para muitas culturas têm um simbolismo muito importante. Por exemplo, para alguns povos, o solstício de verão é motivo de grande alegria, porque representa a vitória da luz sobre a escuridão.

O solstício de inverno significa que a luz do sol não incide com tanta força no hemisfério em questão, enquanto o solstício de verão aumenta a incidência da luz solar. 

olstício acontece de forma inversa nos dois hemisférios, ou seja, quando é solstício de verão no hemisfério sul, é solstício de inverno no hemisfério norte, e vice-versa.

O solstício de verão indica o dia com a maior duração de luz do sol do ano enquanto o solstício de inverno é o dia com menor duração de luz solar no intervalo de um ano. Em outras palavras, o dia mais longo do ano, e a noite mais longa do ano, respectivamente.

Na antiguidade, as iniciações ritualísticas e religiosas eram feitas sempre no solstício de inverno, porque sendo o último dia de maior noite, significava a marca do início do ciclo de dias de luz cada vez maiores; significava ainda a saída do mundo dos mortos (a noite, a escuridão), ou a entrada no mundo dos vivos (o dia, a luz).

As iniciações tinham assim o significado de renascer, ou nascer de novo para a luz; o renascimento assumia o significado simbólico da vida que se renova, após a grande noite (morte).

No Egito antigo, os faraós eram reiniciados a cada novo solstício de inverno. As pirâmides foram construídas em alinhamento para receber o sol de frente à porta de entrada, exatamente no dia do solstício de Inverno.

Esse é o tema do solstício de inverno: a união do sol (masculino) com a Terra (feminino) é o milagre do renascimento e a preservação da vida. É o momento em que termina o outono – a estação mais emblemática do ano – e começa o inverno que precede a primavera, dando assim continuidade aos ciclos da Terra. É essa união em equilíbrio que traz a certeza de que a primavera retornará, e com ela a alegria, a fertilidade e o amor da Terra e de suas criaturas.

Nos solstícios a tradição cristã comemora os santos de nome João. João Batista no solstício de inverno e João Evangelista no solstício de verão.

Nós que vivemos no hemisfério sul, no nosso paraíso tropical, temos o privilégio de viver junto a clima mais ameno e menos hostil do que na Europa. Por aqui, é bom que se diga, o deus sol nunca morre, nem mesmo no solstício de inverno. Mas com certeza nós sentimos nesse período que algo está mudando – a natureza, em sua imutável (posto que é eterna) transformação, dá prosseguimento aos seus ciclos consecutivos.

Podemos sorrir felizes, pois nossos invernos são mais brandos do que os dos outros; e sorrimos ainda mais com a certeza de que, a partir de 13h38 do dia 21 de junho passado, o retorno do sol nos trará de volta a alegria da primavera em setembro.

Essa certeza nos ajuda – como ajudava os povos da Antiguidade – a suportar os rigores do inverno que se anuncia, enchendo-nos de esperança e de energia para aguardar a próxima estação.

É simples assim…E é por ser simples que é belo.

Heitor Rodrigues FreireCorretor de imóveis e advogado

 

Leia Também

Relatos de viagem

Como pescar mudou a minha vida

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Natureza não põe fogo no Pantanal

Delson Pereira, ribeirinho do Porto da Manga, Corumbá (MS)

Vídeos

Vídeo premiado em 3º lugar no II Cine Aves Campo Grande MS

Mais Vídeos