quarta, 16 de outubro de 2019

“Turismo vai ter prioridade no governo”, garante novo ministro

Metas: promover o turismo e melhorar a imagem do país para atrair mais visitantes e gerar emprego e renda

07 JAN 2019 - 11h37Por FRANSCINY ALVES/O TEMPO/REDAÇÃO

Colocar o turismo no centro da agenda política e econômica do governo. Esta será uma das prioridades da gestão do novo ministro do Turismo, ex-deputado mineiro federal Marcelo Álvaro Antônio. A continuidade de ações e programas que vem gerando resultados, como o Prodetur + Turismo, visto eletrônico, concessões de parques naturais, também estão na agenda do novo titular da pasta.

O ministro ressaltou a importância do setor, como um vetor para geração de emprego, renda e desenvolvimento do país. “Assumo um dos maiores desafios da minha vida pública e me sinto honrado com a oportunidade de contribuir para este Governo que se inicia e que, certamente, fará mudanças estruturantes em nosso país”, disse.

Sobre os desafios de sua gestão, citou o de melhor aproveitar as vantagens comparativas do país, reduzir o custo Brasil, dar prosseguimento às ações de ampliação da conectividade aérea, melhorar o ambiente de negócios e incentivar o empreendedorismo com a redução da burocracia. “É hora de transformar todo o vasto potencial do Brasil em retorno econômico”.

Nesta entrevista ao jornal O Tempo, de Minas Gerais, Marcelo Álvaro detalha suas metas:

1.Na transição de governo, especulou-se a extinção do Ministério do Turismo e, nos últimos anos, a pasta sofreu cortes drásticos no Orçamento. Como que o senhor vai fazer para que a pasta tenha verba e prestígio no governo de Jair Bolsonaro (PSL)?

MARCELO ÁLVARO ANTÔNIO - Já consegui recursos das emendas parlamentares do Congresso e agora é uma discussão que vamos ter com o ministro (da Economia) Paulo Guedes para conseguir garantir uma dotação orçamentária maior para o ministério. O presidente foi sensível e entendeu a importância da área para a geração de emprego e renda no país, é um entusiasta da pasta do Turismo e ela certamente vai ter prioridade na agenda econômica do governo

2.Quais são as principais medidas que o senhor pretende realizar na pasta?

Primeiramente, promover a permanência do turismo interno para que os brasileiros viajem mais dentro do Brasil. Para isso, nós vamos precisar reduzir o custo Brasil, melhorar a conectividade aeroportuária, vai ser uma série de medidas. O segundo ponto é transformar a Embratur de uma autarquia para uma agência de promoção internacional do Brasil, para que consigamos ter mais eficiência na proposta de trazer os estrangeiros para o país. E o terceiro ponto é a proposta de definir áreas de interesses especiais do turismo no Brasil, como é em Cancún, por exemplo. Ela é uma área de interesse especial de turismo no México. Aí se tem uma série de atrativos tributários e fiscais para que se possa atrair o investimento de empresas brasileiras e também capital externo, gerando emprego e renda. O objetivo é criar pelo menos uma área em cada Estado. Estamos no início desse planejamento.

3.E como trabalhar a marca do Brasil para atrair estrangeiros, uma vez que o noticiário, principalmente sobre segurança pública, acaba afastando muito os turistas?

Nesse novo governo, o topo da agenda é segurança pública. Vamos conversar muito com o ministro da Justiça, Sergio Moro. Vamos precisar trabalhar muito nessa transversalidade com outros ministérios, como o da Justiça, que agrega segurança pública. E vamos trabalhar a imagem do Brasil, a promoção do país no exterior, mostrando as nossas belezas, os recursos naturais, a nossa diversidade cultural e a nossa gastronomia, mostrando que o Brasil não é só violência. E, inclusive, o governo federal vai trabalhar continuamente para melhorar a segurança pública. Essa promoção vai ser feita pela Embratur, que é a responsável pela divulgação do Brasil no exterior como destino turístico.

4.E no Congresso há outros projetos, além o que transforma a Embratur em agência, em que o ministério tem prioridade para que eles sejam aprovados?

Tem a Lei Geral do Turismo, que já está na Câmara dos Deputados, inclusive com urgência para ser votada. Ela vai alterar 118 itens e é outro projeto importantíssimo para que a gente possa alavancar o turismo no Brasil. Há, por exemplo, a cobrança dos Ecads (Escritórios Central de Arrecadação) que incide sobre todos os apartamentos dos hotéis. Um hotel hoje que tem 300 apartamentos, independentemente da sua ocupação, incide a cobrança do Ecad, que considera que tenha algum rádio ou som ambiente no quarto. Esse projeto acaba, por exemplo, com essa cobrança. E vai cobrar somente nas áreas comuns do hotel.

5.Ao assumir o ministério, o senhor disse em seu discurso que, em quatro anos, pretende aumentar de 7 milhões para 9 milhões o total de postos de trabalho gerado pelo setor. Como vai ser possível fazer isso?

Diante de tudo que eu disse, se conseguirmos aumentar o número de estrangeiros vindo ao país fazendo turismo, vamos aumentar a lotação da rede hoteleira, o restaurante contrata mais, mais carros são alugados. Isso impacta toda a cadeia produtiva do turismo.

Leia Também

Relatos de viagem

Como pescar mudou a minha vida

Mais Relatos de Viagem

Megafone

O homem não tramou o tecido da vida; ele é apenas um dos seus fios

Cacique Seattle, 1884

Vídeos

Vídeo premiado em 3º lugar no II Cine Aves Campo Grande MS

Mais Vídeos

Eco Debate

JOÃO PAULO CAPOBIANCO

Muito prazer, meu nome é PPCDAm

HEITOR RODRIGUES FREIRE

A simbologia da rã

MANOEL LINHARES

A importância da legalização dos Jogos no Brasil