sexta, 19 de julho de 2019
PEDRO CHAVES

PEDRO CHAVES: “Fundo Pantanal vai gerar recursos à pesquisa e práticas sustentáveis, como o econegócio”

04 DEZ 2017 - 06h15Por Sílvio Andrade

Aprovado recentemente, na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos do Senado), o relatório do senador sul-mato-grossense Pedro Chaves (PSC) que institui a Lei do Pantanal e o Fundo do Pantanal. A primeira medida estabelece princípios legais para limitar a interferência humana no bioma Pantanal, de maneira a garantir que o desenvolvimento de atividades econômicas na região não resulte em degradação ambiental.

Já o fundo, semelhante ao instrumento criado para a Amazônia, tem como objetivo apoiar financeiramente os projetos de preservação do Pantanal, estimulando investimentos de controle, monitoramento e fiscalização ambiental. Para o senador Pedro Chaves, o fundo é estratégico para apoiar boas práticas conservacionistas, fomentar a pesquisa e, sobretudo, promover ações de apoio ao homem pantaneiro.

O relatório do senador está agora na Comissão de Meio Ambiente, da qual ele é membro, e sua aprovação é tida como certa. Entidades ambientalistas e do setor produtivo apoiam a sua iniciativa que tem ainda o referendo de uma empresa de pesquisa que é uma unanimidade, a Embrapa Pantanal. O chefe da unidade, que fica em Corumbá (MS), Jorge Antonio Ferreira de Lara, acompanhou a tramitação do projeto na CAE e falou da importância do fundo:

“Acompanhamos a aprovação da Lei do Pantanal em Brasília. Este importante esforço do senador Pedro Chaves é um passo fundamental para promover ainda mais a pesquisa e o desenvolvimento da região. O Pantanal precisa de ações como essa do Fundo do Pantanal que concedem incentivo e estímulo para a conservação do bioma”.
De autoria do senador licenciado e ministro Blairo Maggi, a Lei do Pantanal tem como meta reduzir impactos ao meio ambiente e proteger a fauna e a flora da planície alagável no Centro-oeste brasileiro. O incentivo a atividades de ecoturismo como forma de gerar emprego e renda é uma das diretrizes da política prevista na proposta, que ainda será examinada com caráter terminativo pela Comissão de Meio Ambiente (CMA).

Em entrevista a LUGARES, Pedro Chaves fala dos avanços que serão conquistados com a lei específica para o Pantanal para garantir seu desenvolvimento ambiental, econômico e social, com foco também no homem pantaneiro. Segundo o senador, o governo federal está alinhado às novas políticas preservacionistas para o bioma e deve criar o fundo tão logo seja aprovado no Senado. “Estamos também negociando mais fontes de recursos”, antecipou.

1. O Fundo Pantanal é a saída para conservar o ecossistema diante da falta de comprometimento governamental, que tem reduzido orçamento para o setor? 

Senador Pedro Chaves: Meu relatório do projeto de Lei 750, de 2011 e minha proposta para criação do Fundo do Pantanal foram aprovados na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos). O projeto dispõe sobre a Política de Gestão e Proteção ao Bioma Pantanal fizemos um grande estudo a respeito do tema. O descaso dos nossos governantes, o uso desenfreado de produtos químicos nos projetos agrícolas e a instalação e funcionamento de atividades de poluição resultaram na degradação ambiental da planície alagável. Na CAE, observei também, uma certa fragilidade no projeto como a inexistência de recursos para a implementação das ações. De nada adiantaria termos uma legislação tão bem elaborada se não pensássemos em recursos para realizar as ações. Diante disso, percebi a necessidade da criação de um fundo, a exemplo do Fundo da Amazônia, Fundo Mata Atlântica, que permitem que recursos sejam direcionados para o bioma. Desde então, tenho buscado negociar com o Governo Federal, a criação por via parlamentar do Fundo Pantanal. Participei de várias reuniões em Brasília e de dois encontros de autoridades em Mato Grosso do Sul, contando inclusive com a presença do presidente Michel Temer. Da última vez, em outubro deste ano, recebemos o compromisso do Governo em apoiar esta importante iniciativa. 

2. O fundo depende de um ato do governo, como está sendo encaminhada essa proposta? Deve ser criado ainda este ano? 

Pedro Chaves: A ação é conjunta. Tivemos longas tratativas com integrantes do Governo, pois a criação de fundos por iniciativa parlamentar é sensível e incômoda. Inicialmente, deram apoio à causa, os ministros Blairo Maggi e Sarney Filho. Logo após, iniciamos tratativas com integrantes dos Ministérios do Planejamento, Fazenda, Casa Civil, Meio Ambiente, Agricultura e Ciência e Tecnologia. Confesso que tivemos resistência num primeiro momento, mas o Governo Federal acabou adotando a ideia e prometeu dar todo o apoio necessário nas comissões do Senado. Inclusive, paralelamente à conversão em lei do projeto de lei 750, o Executivo federal deverá regulamentar com decreto a formatação do fundo. Até lá, seguiremos negociando mais fontes de recursos bem como o aprimoramento do texto. 

Pedro Chaves, ao lado do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, e dos presidentes do Instituto Homem Pantaneiro e SOS Pantanal, Márcia Rolon e Roberto Klabin. Foto Divulgação

3. O fundo pode ser uma saída para salvar o Taquari. O senhor vê vontade política do governo em recuperar esta importante bacia? 

Pedro Chaves: O fundo é uma ideia de criar recursos, não só para apoiar a pesquisa, como também iniciativas que possam gerar práticas sustentáveis, como o econegócio. Além disso, a proposta ainda prevê ações preventivas e corretivas no planalto, em especial, o caso mais emblemático que é o Rio Taquari.

Aliás, em se tratando do Rio Taquari, estamos falando do maior acidente ambiental do País, com 1 milhão de hectares prejudicados no que se refere às áreas econômica, social e ambiental de biodiversidade expressivas. O assunto, inclusive, ficou em evidência nesses últimos dias graças ao evento ocorrido na Fazenda Caiman, em Miranda, onde o presidente da República garantiu que fará os esforços necessários para resolver a questão.

Para tratar do assunto, já tivemos duas agendas no Pantanal com o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. O último encontro aconteceu em outubro. Na oportunidade, o presidente Michel Temer assinou decreto que permite a conversão de multas ambientais ainda não pagas em prestação de serviços na área ambiental. Atualmente, existem R$ 4,6 bilhões em multas ambientais passíveis de conversão. Desta forma, quero crer que o Governo Federal está sim, empenhado em recuperar e proteger nosso Pantanal.

4. Quais os pontos cruciais do Projeto de Lei 750/2011 que o senhor aponta para garantir a proteção do Pantanal? 

Pedro Chaves: O projeto tem a pretensão de reduzir impactos ao meio ambiente e proteger a fauna e a flora da planície alagável do Rio Paraguai. Um dos pontos trata-se do incentivo a atividades de ecoturismo como forma de gerar emprego e renda. O substitutivo proposto pelo senador Cidinho (PR-MT) na Comissão de Constituição e Justiça é outro ponto importante no que se refere ao Zoneamento Ecológico-Econômico, pois trata da avaliação de planos, obras e atividades públicas e privadas no Pantanal, bem como a proibição do plantio de culturas transgênicas e o uso de agrotóxicos em áreas da região. 

Outra questão tem a ver com a suspensão por cinco anos, contados da vigência da lei, das atividades de pesca amadora e profissional no Pantanal, conforme constava na versão original do projeto. Existem muitos moradores locais que dependem desta atividade para sua própria subsistência e, muito embora seja meritório o objetivo de repor os estoques pesqueiros nos rios do bioma, ao meu ver não possui base técnica nem se encontra harmonizada com a Lei da Aquicultura e Pesca. 

Destaco ainda, a discussão em torno da utilização do uso de agrotóxicos, que deverão passar por critérios rigorosos para evitar o comprometimento das águas. Além de tudo isso, não posso deixar de destacar a necessidade de atenção especial no comprometimento das nascentes que também é um grande problema do nosso bioma.

5. A unificação das leis ambientais entre MS e MT não seria um ponto de partida? 

Pedro Chaves: A unificação das leis ambientais de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul criará uma linguagem unificada para que as prioridades nas áreas de pesquisa e de conhecimento sejam efetivas e contribuam não só para as questões ligadas ao meio-ambiente, mas também para a sustentabilidade da atividade econômica da pecuária extensiva, muito importante para os estados.

Ressalto que nosso objetivo em unir os dois estados nessa questão criará uma estratégia comprometida com a proteção do Pantanal e das suas nascentes. Durante assinatura da “Carta Caiman”, o governo federal e os estados do Mato Grosso do Sul e Mato Grosso assumiram compromisso para que o Pantanal seja pensado de forma única por todos, os quais deverão criar grupos de trabalho para discutir e unificar ações integradas, que visam preservar o bioma e promover o desenvolvimento econômico e social. 

Quero pedir licença aqui para fazer referência ao homem pantaneiro, que possui um conjunto de qualidades importantes para fazer do Pantanal, um dos únicos biomas do mundo onde a atividade econômica convive e coexiste com a vida selvagem. Desta forma, qualquer iniciativa que trata da proteção do Pantanal, deverá obrigatoriamente passar pela questão do homem pantaneiro, que aprendeu a lidar com todas as adversidades e sobreviver ao longo dos últimos 300 anos no nosso querido Pantanal

Leia Também

Relatos de viagem

Conte sua aventura aqui!

Mais Relatos de Viagem

Megafone

Para viajar basta existir

Fernando Pessoa

Vídeos

Rio Negro, Caminho dos Ipês

Mais Vídeos

Eco Debate

MANOEL MARTINS DE ALMEIDA

Grande Circo Taquari

HEITOR RODRIGUES FREIRE

Significado do Solstício

WWF

Código Florestal: é hora de implementar, não de modificar